MODALIDADES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRESENCIAL NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: ANÁLISE DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

Autores

  • Carmem Lisiane Esouto de Souza Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA
  • Luciana Bisio Mattos Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA
  • Airton Tetelbom Stein Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA
  • Cleidilene Ramos Magalhães Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v4.1.173

Palavras-chave:

Aprendizagem, Formação profissional em saúde, Educação presencial, Educação a distância

Resumo

Este estudo analisou a contribuição do curso de especialização em saúde da família para o processo de aprendizagem dos participantes de duas turmas, uma ofertada na modalidade de educação presencial e outra na modalidade de educação a distância (EaD). Com metodologia quanti-qualitativa, utilizou das avaliações de desempenho acadêmico e de entrevistas semiestruturadas com participantes concluintes do Curso nas duas modalidades de educação. Concluiu-se que as duas modalidades não apresentaram diferentes resultados entre os grupos de estudantes tanto em relação ao domínio do conhecimento identificado pelo desempenho acadêmico quanto pelas percepções de aprendizagem observadas nas falas dos participantes.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Censo EaD.br: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2013. Curitiba: Ibpex, 2014. Disponível em: <http://www.abed.org.br/censoead2013/CENSO_EAD_2013_PORTUGUES.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Censo EaD.br: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2015. Curitiba: InterSaberes, 2016. Disponível em: <http://abed.org.br/arquivos/Censo_EAD_2015_POR.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2017.

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: Univille, 2007.

ARROYO, M. G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BATISTA, K. B. C.; GONÇALVES, O. S. J. Formação dos Profissionais de Saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 884-899, 2011.

BEHAR, P. et al. Modelos Pedagógicos em Educação a Distância. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BEHAR, P. et al. Competências em Educação a Distância. Porto Alegre: Penso, 2013.

BOYE, S.; MOEN, T.; VIK, T. An E-Learning Course in Medical Immunology: does it improve learning outcome? Academic Journal Medical Teacher, London, v. 34, n. 9, p. 649-653, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 198, em 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 13 fev. 2004. Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/GM/GM-198.htm>. Acesso em: 19 jan. 2015.

BRASIL. Decreto nº 7.508 de 28 de Junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 29 jun. 2011. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm> Acesso em: 19 jan. 2015.

BRASIL. Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS). Brasília: Portal Brasil, 2015. Disponível em: <http://www.unasus.gov.br/> Acesso em: fev. 2017.

CARDOSO, I. M. ‘Rodas de Educação Permanente’ na Atenção Básica de Saúde: analisando contribuições. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 18-28, 2012.

CASAGRANDE, L. Educação nas Modalidades Presencial e a Distância: um estudo comparativo das percepções de estudantes de cursos do nível de especialização na EA/UFRGS. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 975-986, 2005a.

CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-77, set. 2004-fev. 2005b.

CONILL, E. M. Ensaio Histórico-Conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24, n. 1, p. S7-S27, 2008.

COOK, D. A. The Value of Online Learning and MRI: finding a niche for expensive technologies. Academic Journal Medical Teacher, London, v. 36, n. 11, p. 965-972, 2014.

COSTA, V. M. F. et al. Educação a Distância x Educação Presencial: como os alunos percebem as diferentes características. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA (ESUD), 11., 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UNIREDE, 2014. p. 2088-2102. Disponível em: <http://esud2014.nute.ufsc.br/anais-esud2014/files/pdf/126878.pdf> Acesso em: 14 mar. 2015.

DAVINI, M. C. Enfoques, Problemas e Perspectivas na Educação Permanente dos Recursos Humanos de Saúde. In: BRASIL. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. p. 39-59. Disponível em: Acesso em: 19 jan. 2015.

FERRAZ, D. P. A.; JUNIOR, M. F. R.; FURLANI, J. M. S. Autonomia e o Uso das Tecnologias: um estudo comparativo entre hábitos de estudo de licenciandos em física das modalidades presencial e a distância. EmRede – Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 266-281, 2016.

FIGUEIREDO, M. A. Avaliação da Educação Superior no Brasil: presencial x educação a distância. In: CONGRESSO ABED, 2013, Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: 2013. p. 1-10. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2013/cd/302.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2015.

FREIRE, P. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HADDAD, A. E. et al. Política Nacional de Educação na Saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 32, n. 1, p. 98-114, out. 2008.

HEIMAN, H. l. et al. E-Learning and Deliberate Practice for Oral Case Presentation Skills: a randomized trial. Academic Journal Medical Teacher, London, v. 34, n. 12, p. 820-826, 2012.

HOLANDA, V. R. de; PINHEIRO, A. K. B.; PAGLIUCA, L. M. F. Aprendizagem na Educação Online: análise de conceito. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 3, p. 406-411, maio/jun. 2013.

IAHN, L. F.; MAGALHÃES, L. E. R.; BENTES, R. F. Educação a Distância x Educação Presencial: estudo comparativo entre dois cursos preparatórios para concurso. In: CONGRESSO ABED, 2008, Santos. Anais... Santos: 2008. p. 1-13. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2008/tc/55200872051PM.pdf> Acesso em: 14 mar. 2015.

JÜNI, P.; EGGER, M. Commentary: empirical evidence of attrition bias in clinical trials. International Journal of Epidemiology, Oxford, v. 34, p. 87-88, 2005. Disponível em: <http://ije.oxfordjournals.org/content/34/1/87> Acesso em: 14 mar. 2015.

LAGUARDIA, J.; CASANOVA, Â.; MACHADO, R. A Experiência de Aprendizagem On-Line em um Curso de Qualificação Profissional em Saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 8 n. 1, p. 97-122, mar./jun. 2010.

LIMA, C. V. J.; TURINI, B. et al. A Educação Permanente em Saúde como Estratégia Pedagógica de Transformação das Práticas: possibilidades e limites. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 8 n. 2, p. 207-227, jul./out. 2010.

LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a Distância: o estado da arte: volume 2. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

LOPES, S. R. S. et al. Potencialidades da Educação Permanente para a Transformação das Práticas de Saúde. Comunicação em Ciências da Saúde, Brasília, v. 18, n. 2, p. 147-155, 2007.

MATTOS, L. B. Análise da Influência de Curso de Especialização em Atenção Primária à Saúde na Prática dos Profissionais de Saúde Participantes. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Porto Alegre, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, 2014.

MICCAS, F. L.; BATISTA, S. H. S. da S. Educação Permanente em Saúde: metassíntese. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 170-185, 2014.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

NASCIMENTO, L. F.; CZYKIEL, R.; FIGUEIRÓ, P. S. Presencial ou a Distância: a modalidade de ensino influencia na aprendizagem? Administração – Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 311-341, abr./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2015.

REZENDE, W. M.; DIAS, A. I. de A. S. Educação a Distância e Ensino Presencial: incompatibilidade ou convergência? Revista EAD em Foco, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, abr./out. 2010. Disponível em: <http://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/ Revista/article/viewFile/10/1>. Acesso em: 14 mar. 2015.

ROBB, G.; WELLS, S.; GOODYEAR-SMITH, F. Values add Value: an online tool enhances postgraduate evidence-based practice learning. Academic Journal Medical Teacher, London, v. 34, n. 11, p. 743-750, 2012.

SAIBOON, I. M. et al. Emergency Skills Learning on Video (ESLOV): a single-blinded randomized control trial of teaching common emergency skills using self-instruction video (SIV) versus traditional face-to-face (FTF) methods. Academic Journal Medical Teacher, London, v. 36, n. 3, p. 245-250, 2014.

SALES, J. T. L. Estudo Comparativo do Desenvolvimento da Oralidade em Língua Inglesa nas Modalidades Presencial e a Distância. EmRede – Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 119-134, 2016.

SOLOMON, P. et al. Students’ Perceptions of Interprofessional Learning through Facilitated Online Learning Modules. Academic Journal Medical Teacher, London, v. 32, n. 9, p. 384-391, 2010.

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002.

VASCONCELLOS, C. dos S. Construção do Conhecimento em Sala de Aula. São Paulo: Libertad, 1994.

Publicado

2017-10-14

Como Citar

Souza, C. L. E. de, Mattos, L. B., Stein, A. T., & Magalhães, C. R. (2017). MODALIDADES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRESENCIAL NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: ANÁLISE DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM. EmRede - Revista De Educação a Distância, 4(1), 91-105. https://doi.org/10.53628/emrede.v4.1.173