O MODELO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU REFLEXO NO PAPEL ATRIBUÍDO AO POLO EM EXPERIÊNCIAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v4.2.206

Palavras-chave:

Iniciação cientifica, Educação a distância, Polo

Resumo

Este artigo aborda o papel do polo EaD na Iniciação Científica, como algo decorrente do modelo de EaD assumido por uma instituição. Para isso, seus autores analisaram 20 projetos de Iniciação Científica em EaD de uma universidade comunitária, bem como os depoimentos dos estudantes envolvidos nos projetos. Os resultados apontam para diferentes conclusões, entre as quais destacam-se: modelos de EaD nos quais o polo tem papel minoritário para o funcionamento de um curso superior tendem a induzir projetos de pesquisa cuja realização prescinde do polo de apoio presencial. O artigo ainda traz reflexões acerca de limitações no conceito corrente de polo e sugere posturas institucionais para expandir o uso dos polos na Iniciação Científica a distância.

Referências

BRASIL. Credenciamento de Polo de Apoio Presencial para Educação a Distância. Brasília: MEC/INEP, 2010. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/ superior/ead/Instrumento_Cred_Polo_EAD_atualizado_agosto.pdf>. Acesso em: 09 maio 2017.

BRASIL. Diário Oficial da União, Brasília, 14 mar. 2016, p. 23-24. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=35541-res-cne-ces-001-14032016-pdf&category_slug=marco-2016-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 09 maio 2017.

LANNES, Q. L. L. Co. e LANNES, W. Ampliando o conceito do “estar junto virtual” no enfrentamento dos desafios do PIBID em um curso de licenciatura na modalidade a distância. Revista EmRede, v. 3, n. 3, 2016. p. 237-251. Disponível em: <http://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/125>. Acesso em: 09 maio 2017.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2012.

OBLINGER, D. G. Learning spaces. Washington: Educause, 2006. Disponível em: < https://www.educause.edu/research-and-publications/books/learning-spaces>. Acesso em: 02 maio 2017.

SCHLEMMER, E. Dos ambientes virtuais de aprendizagem aos espaços de convivência digital virtuais. In: VALENTINI, C. B., e SOARES, E. Aprendizagem em ambientes virtuais. Caxias do Sul, RS: Educs, 2010. p. 145-191.

SOUZA, A. R. B; SARTORI, A.; ROESLER, J. Mediação pedagógica na educação a distância: entre enunciados teóricos e práticas construídas. Diálogo Educacional, v. 8, n. 24, p. 327–339, 2008. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/ reol/pb/index.php/dialogo?dd1=2009&dd99=view&dd98=pb>. Acesso em: 09 maio 2017.

UNISUL. Aprendendo a distância: como estudar na UnisulVirtual. Palhoça: UnisulVirtual, 2013.

VALENTE, J. A. Uso da Internet em sala de aula. Educar em Revista, 2002, v. 19, n. 1. p. 131-146. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/2086>. Acesso em: 09 maio 2017.

Publicado

2017-10-14

Como Citar

Mulbert, A. L., Queriquelli, L. H. M., & Silva, J. G. da. (2017). O MODELO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU REFLEXO NO PAPEL ATRIBUÍDO AO POLO EM EXPERIÊNCIAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. EmRede - Revista De Educação a Distância, 4(2), 356-367. https://doi.org/10.53628/emrede.v4.2.206