POR QUE USAR SOFTWARE LIVRE SERIA UMA OPÇÃO EDUCACIONAL?

Autores

Palavras-chave:

recursos educacionais abertos, educação libertadora, software livre, comunidades online, comunidades de prática, semiótica

Resumo

A fim de discutir a continuidade entre uma educação para a cidadania e as práticas e os princípios das comunidades de software livre, este artigo analisa a trajetória de um grupo que transcende os limites do mundo acadêmico, o Texto Livre, caracterizado pela produção de SLE e REA. É história de aprendizagens múltiplas e vocação para o ensino calcadas no desejo de empoderamento de todos os envolvidos. Atividades como seus eventos e periódico científico, além das aplicações educacionais livres e abertas, compõem seu campo de trabalho.

Biografia do Autor

Ana Cristina Fricke Matte, UFMG

Doutora em Semiótica pela USP. Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos - FALE/UFMG. Pesquisadora em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora do CNPq. Diretora Geral do Grupo Texto Livre.

Referências

ALMEIDA, E. G. de. Aprendizagem situada e letramentos digitais no estágio supervisionado de espanhol. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: <http://www.poslin.letras.ufmg.br/defesas/1457D.pdf>. Acesso em: 12 maio 2018.

BELISÁRIO, A.. Sobre guerrilhas e cópias. In: BELISARIO, A; TARIN, B. (Org.). Copyfight: pirataria e cultura livre. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2012, p. 75-92. Disponível em: <https://crabgrass.riseup.net/assets/118853/COPYFIGHT%20web.pdf#page=76>. Acesso em: 7 jun. 2018.

BUZATO, Marcelo El Khouri. Cultura digital e apropriação ascendente: apontamentos para uma educação 2.0. Educação em Revista, v.26, n.03. Belo Horizonte, 2010. p. 283-304

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

HUGHES, J. N.; JEWSON, N.; UNWIN, L. (Eds.). Communities of practice: critical perspectives. Abingdon: Routledge, 2007.

KANES, K.; LERMAN, S. Analysing concepts of community of practice. In: WINBOURNE, P.; WATSON, A. New Directions for Situated Cognition in Mathematics Education. London: Cambridge, 2008. p. 303-328.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991.

MATTE, A. C. F. Análise semiótica da sala de aula no tempo da EAD. Revista Tecnologias na Educação, v. 1, 2009. Disponível em: <http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2015/07/pal4-vol1-dez-20091.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2017.

MATTE, A. C. F.; MEIRELES, A. R.; RIBEIRO, R. T. SETFON: O Problema da Análise de Dados Prosódicos, Textuais e Acústicos. Revista (con) textos linguísticos (UFES), v. 1, p. 8-30, 2011. Disponível em: <http://www.periodicos.ufes.br/contextoslinguisticos/ article/view/5175/0>. Acesso em: 6 nov.2017.

MORAES, R. C.; SILVA, M. de P.; CASTRO, L. C. Modelos internacionais de educação superior: Estados Unidos, França e Alemanha. São Paulo: Editora UNESP, 2017.

OLIVA, A. Copiar e Compartilhar em Legítima Defesa. In: CONGRESSO ESTADUAL DE SOFTWARE LIVRE DO CEARÁ, 1., 2008, Fortaleza. Anais eletrônicos... Fortaleza, 2008. Disponível em: <http://www.fsfla.org/ikiwiki/texto/copying-and-sharing-in-self-defense>. Acesso em: 28 maio 2018.

SLOMP, Paulo Francisco. AZEVEDO, Fábio, MACHADO, André. Tabela Dinâmica de Software Educacional Livre. Entrevista em vídeo, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/116563>. Tabela disponível em <https://www.ufrgs.br/ soft-livre-edu/tabela-dinamica/>. Acesso em: 28 maio 2018.

VYGOTSKY, Lev S. Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Publicado

2018-07-19