A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: POSSIBILIDADES E/OU LIMITES

Raquel Aparecida Souza, Raquel de Almeida Moraes

Resumo


O estudo teve como objetivo compreender a educação a distância (EAD), partindo da compreensão do conceito de educação em sua dimensão mais ampla, de modo a situar a EAD como um princípio educativo. A partir de um estudo bibliográfico e documental, levantou-se argumentos para uma discussão em torno de elementos favoráveis e contrários ao desenvolvimento da EAD, sendo as análises realizadas a partir de uma perspectiva crítica e dialética. Em relação aos argumentos favoráveis, destaca-se que existem importantes experiências que apontam possibilidades de uma formação emancipatória, que busca a transformação social dos indivíduos e em relação aos argumentos contrários encontra-se aqueles que apontam impossibilidades de cursos na modalidade a distância construírem-se como espaços de formação emancipatória. 

Palavras-chave


Educação a Distância. Princípio Educativo. Formação Emancipatória.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Autores Associados, 7ª edição. Campinas, São Paulo, 2015.

BORGES, Rosana Maria Ribeiro. Educação a Distância (ou a Favor da Distância?). Inter-Ação: Revista Faculdade de Educação da UFG, v. 27(2), p.1-54, jul./dez., 2002. Disponível em Acesso set 2013.

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL. CÂMARA DOS DEPUTADOS. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO; CULTURA; DESPORTO. Plano Nacional de Educação. Centro de Documentação e Informação, Coordenação de Publicações, 2002.

DUARTE, Newton. Sociedade do Conhecimento ou Sociedade das Ilusões? Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleções polêmicas do nosso tempo).

FIORENTINI, Leda Maria Rangero. Aprender e ensinar com tecnologias, a distância e/ou em 137 ambiente virtual de aprendizagem. IN. SOUZA, Amaralina Miranda de Souza, et al (Org.) Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2009.

GOMES, Luiz Roberto. EaD e a legitimação do saber técnico-científico na educação superior brasileira. In. SOUZA, Dileno Dustan Lucas de.; SILVA JÚNIOR, João dos Reis; FLORESTA, Maria das Graças Soares (ORGs). Educação a distância: diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2010.

GOMIDE, Angela Galizzi Vieira. Políticas da Unesco para formação de Professores no Brasil: uma leitura da desqualificação da educação brasileira. Cadernos de Pesquisa, n. 11, p. 7, 2010.

MALANCHEN, Júlia. UNESCO: Políticas e estratégias para formação docente a distância no Brasil. Revista HISTEDBR Online, Campinas, n.32, p.179-199. Dez., 2008.

MORAES Raquel Almeida, PEREIRA Eva Waisros. A política de educação a distância no Brasil e os desafios na formação de professores na educação superior. Seminário do Histedbr. Eixo2. História, políticas públicas e educação. 2009. Disponível em http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/_files/mBv36y8F.doc. Acesso jan, 2016.

MORAES, Raquel de Almeida. Educação a Distância: aspectos histórico-filósoficos. In. FIORENTINI, Leda Maria Rangero, MORAES, Raquel de Almeida, (ORGs.). Linguagens e interatividade na educação a distância. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

______. Educação, Trabalho e Novas Tecnologias na Educação a Distância: uma reflexão crítica. Revista HISTEDBR On-line, v. 65, p. 103-112, 2015.

NEDER, Maria Lúcia Cavalli. A educação a distância e a formação de professores: Possibilidade de mudança paradigmática. In. PRETI, Oeste (Org.). Educação a Distância: sobre discursos e práticas. Brasília, Liber Livro Editora, 2005.

OLIVEIRA, Elsa Guimarães. Educação a Distância na Transição Paradigmática. Campinas, São Paulo, Papirus, 2003.

PARO, Vitor Henrique. Implicações do caráter político da educação para a administração da escola pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.2, p. 11-23, jul./dez. 2002.

______. José Querino Ribeiro e o paradoxo da administração escolar. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 561-570, set./dez. 2007.

PRETI, Oreste. Educação a Distância e Globalização: tendências e desafios. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 79, n. 191, p. 19-30, jan./abr. 1998.

RAMOS, Wilsa Maria, MEDEIROS, Larissa. A Universidade Aberta do Brasil: desafios da construção do ensino e da aprendizagem em ambientes virtuais. In.: SOUZA, Amaralina Miranda (Orgs). Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2009.

SAVIANI, Demerval. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. Politécnico da Saúde Joaquim Venâncio, 1989.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; KATO, Fabíola B. Grello; SANTOS, Silvia Alves dos. Políticas públicas para formação de professores a distância: implicações políticas e teóricas. Educação a distância: diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, p. 33-52, 2010.

VIEIRA, Fabia Magali Santos, MORAES, Raquel Almeida. As políticas brasileiras para formação de professores a distância, na sociedade capitalista. Revista da Faculdade de Educação da UFG. V.39, n.2. 2014. Disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/interacao/issue/view/1522/showToc . Acesso set, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Raquel Aparecida Souza



EmRede - Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, RS, Brasil.

ISSN: 2359-6082

Classificação em Qualis Periódicos B4 (2019)
Indexação (consulte a seção Sobre)


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional ((CC BY-NC-SA 4.0).