IMAGINÁRIOS DA DOCÊNCIA: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES A DISTÂNCIA

Autores

  • Angelita Hentges Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul riograndense - Campus Pelotas Visconde da Graça
  • Maria Laura Brenner de Moraes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul riograndense - Campus Pelotas Visconde da Graça

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v6.1.425

Palavras-chave:

formação, imaginário, tecnologia, virtual, docência,

Resumo

Neste texto, toma-se como pressuposto que a formação de um docente, independentemente da modalidade, carrega as mesmas angústias que, historicamente, afligem a profissão. Do questionamento sobre os imaginários da docência emergentes no ambiente virtual de aprendizagem, reflete-se sobre o constituir-se professor(a) pela internet, e assim buscam-se as potencialidades e os perigos que rondam essa formação, mediatizada pela internet. Rastreiam-se conceitos como Imaginário educacional (ARAÚJO, 2010), Tecnologias do Imaginário (SILVA, 2006) e formação de professores (GUSDORF, 1967). Por fim, reconhece-se, em parte, a racionalização tecnicista dos processos, que podem conduzir a constituição de imagens da docência voltadas à formação de um técnico.

Biografia do Autor

Angelita Hentges, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul riograndense - Campus Pelotas Visconde da Graça

Doutora e Mestre em Educação. Coordenadora do Curso de Formação Pedagógica para não-licenciados a distância, Coordenadora do Núcleo de Estágio (NAED)/CaVG, Pofessora pesquisadora do Programa de Pós Graduação/PPGCITED/CaVG e Professora de Prática Pedagógica dasd licenciaturas em Ciências Biológicas, Física e Química/CaVG.

Maria Laura Brenner de Moraes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul riograndense - Campus Pelotas Visconde da Graça

Doutora e Mestre em Educação. Coordenadora do Curso de Pedagogia a distância,  Pofessora pesquisadora do Programa de Pós Graduação/PPGCITED/CaVG e Professora  das licenciaturas em Ciências Biológicas, Física e Química/CaVG.

Referências

ARAÚJO, A. F. R. de A. Quando o imaginário se diz educacional. Revista brasileira Estudos Pedagógicos, Brasília, set./dez., 2010.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2003.

DOSSIÊ - Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil. Disponível em: http://www.iphan.gov.br/bcrE/pages/indexE.jsf/. Acesso em: 20 fev. 2019.

DURAND, G. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DURAND, G. O Imaginário. Rio de Janeiro: DIFEL, 2011.

DURAND, G. A Imaginação Simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

GUSDORF, G. Professores para quê? Lisboa: Morais Editora, 1967.

HENTGES, A. Imaginários fermentadores de educação nas rodas de capoeira Angola do ACCARA: Elementos de uma educação circular. 2016. 144 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

MARQUES, M. O. A formação do profissional da Educação. Ijuí: UNIJUÌ, 1992.

SILVA, J. M. As Tecnologias do Imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2006.

TEIXEIRA, M. C. S.; ARAÚJO, A. F. Gilbert Durand: imaginário e educação. Niterói: Intertexto, 2011.

WUNENBURGER, J.; ARAÚJO, A. F. Introdução ao Imaginário. In ARAÚJO, Alberto Filipe. BAPTISTA, Fernando Paulo. Variações sobre o Imaginário – domínios, teorizações, práticas hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

Publicado

2019-07-18

Como Citar

Hentges, A., & Brenner de Moraes, M. L. (2019). IMAGINÁRIOS DA DOCÊNCIA: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES A DISTÂNCIA. EmRede - Revista De Educação a Distância, 6(1), 29-40. https://doi.org/10.53628/emrede.v6.1.425