COMPREENDENDO AS FORMAS DE INTERAÇÃO NO MOODLE POR UMA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MAIS SIGNIFICANTE: uma abordagem enunciativa

Autores

  • Silvana Silva UFRGS
  • Daniel Rodrigues Affeldt UFRGS

Palavras-chave:

Subjetividade. Enunciação. Moodle.

Resumo

Neste artigo, analisamos interações entre professora e alunos na plataforma Moodle, referentes à modalidade de Educação a Distância oferecida em disciplinas de cursos de graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Para tanto, fazemos observações sobre a natureza das interações feitas em EaD sob a luz da teoria da enunciação do linguista Émile Benveniste. De um corpus constituído por 32 interações, escolhemos as seis que julgamos ilustrar melhor nossas análises. Os resultados, de um ponto de vista quantitativo, revelaram a predominância da não-resposta dos alunos aos bilhetes da professora. Em contrapartida, uma análise qualitativa mostrou que, respeitadas as particularidades de uma aula a distância, as interações podem ser mais significantes.

Biografia do Autor

Silvana Silva, UFRGS

Professora do Programa de Pós-Graduação em Letras- UFRGS.

Daniel Rodrigues Affeldt, UFRGS

Graduando em Letras- UFRGS. Bolsista de Pesquisa SEAD-UFRGS (2018-2019).

Referências

ARESI, Fábio. Os índices específicos e os procedimentos acessórios da enunciação. ReVEL, v. 9, n. 16, 2011.

BENVENISTE, É. Da subjetividade na linguagem. In BENVENISTE, É. Problemas de linguística geral I. Campinas/SP: Pontes, 1991.

BENVENISTE, É. Aparelho formal da enunciação. In: BENVENISTE, É. Problemas de linguística geral II. Campinas/SP: Pontes, 1989.

FLORES, V. N. A enunciação escrita em Benveniste: notas para uma precisão conceitual. DELTA [online]. 2018, vol. 34, n. 1, p. 395-417.

OLIVEIRA, M.A. e PASCHOALINO, J. Ensino Superior: Educação a Distância e mercantilização do Ensino Superior. Rev. Trabalho & Educação, v. 28, n. 1, p. 83-95, fev.2019.

PENTEADO, A. E. A.; MESKO, W. S. Como se responde a um bilhete? Movimentos a partir desse instrumento de intervenção nas produções textuais em processo de reescrita. In: SIGNORINI, I. (Org.). Gêneros catalisadores: letramento e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006. p. 95-124.

PEREIRA, L. D.; SOUZA, A. C. V. de. Mercantilização do ensino superior brasileiro e o uso do EaD como estratégia expansionista. . In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 1., 2017, Niterói. Anais [...]. Niterói: UFF, 2017. Disponível em: http:/ /www.niepmarx.blog.br/MM2017/anais2017/MC30/mc301.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

TEIXEIRA, T. M. L. 'A linguagem serve para viver': contribuição de Benveniste para análises no campo aplicado. Linguagem & Ensino (UCPel. Impresso), v. 15, p. 439-456, 2012.

TORI, R. Tecnologia e Metodologia para uma Educação sem Distância. Revista EmRede, v. 2, n. 2, p. 44-55, 2015. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/ index.php/emrede/article/view/64. Acesso em: 20 jan. 2020.

Publicado

2020-05-15

Como Citar

Silva, S., & Affeldt, D. R. (2020). COMPREENDENDO AS FORMAS DE INTERAÇÃO NO MOODLE POR UMA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MAIS SIGNIFICANTE: uma abordagem enunciativa. EmRede - Revista De Educação a Distância, 7(1), 55-68. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/541