RIEOnLIFE: uma rede para potencializar a emergência de uma educação ONLIFE

Autores

Palavras-chave:

Educação na Pandemia; Educação OnLIFE; Rede, RIEoNLIFE

Resumo

Como saber quais foram os principais problemas encontrados; quais as estratégias desenvolvidas em diferentes países, municípios, estados; e como se mobilizaram em tempos de pandemia da COVID-19? Como os estudantes, pais, professores, gestores e pesquisadores compreenderam esse movimento? Que aprendizagens e desafios a pandemia trouxeram à pesquisa em Educação? A partir dessas problematizações emerge a Rede Internacional de Educação OnLIFE (RIEOnLIFE), em parceria com a UAb Portugal. Este artigo objetiva apresentar o conceito de Educação OnLIFE, a RIEOnLIFE e seus movimentos, bem como discutir o primeiro movimento da rede, o Movimento EscutAÇÕES. De natureza qualitativa, a pesquisa busca inspiração no conceito de Living Labs, articulado ao método cartográfico de pesquisa- intervenção, originando três movimentos como território da pesquisa: as escutAÇÕES, as COnversAÇÕES e as COMpartilhAÇÕES. Os resultados evidenciam potência para: conectar instituições e sujeitos; compreender os problemas, estratégias e movimentos; conhecer desafios e aprendizagens; constituir um espaço comum de legitimação e construção da RIEOnLIFE enquanto rede ou plataforma de Educação OnLIFE.

Biografia do Autor

Ana Maria Marques Palagi, Secretaria Estadual de Educação do Paraná

Doutora pela Unisinos (CAPES 7) área de concentração Educação Básica, linha de Pesquisa - educação tecnologia e desenvolvimento.  Mestrado em Comunicação e Semiótica - PUC/SP (2001). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1986), graduação em Direito pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicada de Cascavel (2000), Especialização em Mídias na Educação - UFPR, Especialização em Educação a Distância, pelo Senac/Curitiba/PR, Especialização em Gestão Pública pela UEM, Especialização em Supervisão Escolar, Educação Ambiental, Educação de Jovens e Adultos, Professora QPM - pedagoga titular - Secretaria do Estado do Paraná Educação atua no Curso Normal - Formação de Docentes e Tutora do Curso Técnico subsequente do ProFuncionário. Coordenadora Pedagógica do Curso de Formação de Tutores MEC/ rede e-Tec. Orientadora de trabalho de conclusão de curso pelo IFPR. Atua como perita em implantação de Cursos EaD, junto ao NRE/Cascavel/SEED. Com estudos e atuação voltados, ensino profissionalizante, formação de professores e educação on line. Tem experiência profissional na área de Educação Básica (séries iniciais, fundamental e médio), ensino superior e pós-graduação lato sensu, gestão escolar, Tutoria na modalidade a distância (SEED e UFPR). É membro do Grupo de Pesquisa Educação Digital (CNPq).

Eliane Schlemmer, UNISINOS

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1D. Pós-Doutora em Educação pela Universidade Aberta de Portugal. Doutora em Informática na Educação e Mestre em Psicologia pela UFRGS. Bacharel em Informática pela UNISINOS. Professora-pesquisadora titular do PPG em Educação e do PPG em Linguística Aplicada na UNISINOS. Líder do Grupo Internacional de Pesquisa Educação Digital - GPe-dU UNISINOS/CNPq. Pesquisadora-colaboradora na Unidade de Estudos do Local – ELO/UAb-PT e no Grupo Internacional de Pesquisa Atopos/USP.

Referências

BERGSON, H. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DI FELICE, M. Net-ativismo e ecologia da ação em contextos reticulares. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v. 11, n. 2, p. 267-283, maio/ago. 2013. Disponível em: https://biblat.unam.mx/pt/revista/contemporanea-salvador/articulo/net-ativismo-e-ecologia-da-acao-em-contextos-reticulares. Acesso em: 20 set. 2021.

DI FELICE, M. Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. São Paulo: Paulus, 2017.

DI FELICE, M. Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume, 2009.

DI FELICE, M. Pós-complexidade: as redes digitais vistas a partir de uma perspectiva reticular. Entrevista Concedida a Moisés Sbardelotto. Revista IHU On-line, São Leopoldo, 13 nov. 2011. Disponível em: https://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/500515-pos-complexidade-as-redes-digitais-vistas-a-partir-de-uma-perspectiva-reticular-entrevista-especial-com-massimo-di-felice. Acesso em: 28 dez. 2021.

DI FELICE, M.; TORRES, J. C.; YANAZE, L. K. H. Redes digitais e sustentabilidade: as interações com o meio ambiente na era da informação. São Paulo: Annablume, 2012.

DONNA HARAWAY - SF: String Figures, Multispecies Muddles, Staying with the Trouble. [S. l.: s. n.], 2014. 1 vídeo (1h50min). Publicado pelo canal KIASualberta. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Z1uTVnhIHS8. Acesso em: 20 set. 2021.

ESCÓSSIA, L.; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

FLORIDI, L. (ed.), The Onlife Manifesto: Being Human in a Hyperconnected Era. London: Springer Open, 2015. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2F978-3-319-04093-6.pdf. Acesso em: 28 set. 2021.

HARAWAY, D. Anthropocene, Capitalocene, Chthulhucene. Entrevista por Martha Kenney. In: DAVIS, H.; TURPIN, E. (orgs.). Art in the Anthropocene: Encounters Among Aesthetics, Politics, Environment and Epistemologies. London: Open Humanities Press, 2015. p. 255-270.

HARAWAY, D. Antropoceno, capitaloceno, plantationoceno, chthuluceno: fazendo parentes. Clima com Cultura Científica, v. 3, n. 5, p. 139-146, 2016b.

HARAWAY, D. Staying with the trouble: making kin in the Chthulucene. Durham, Londres: Duke University Press, 2016a.

KASTRUP, V. A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In: KASTRUP, V.; TEDESCO, S.; PASSOS, E. (orgs.). Políticas da Cognição. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 91-110.

KASTRUP, V. Aprendizagem, Arte e Invenção. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 17-27, jan./jun., 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pe/a/NTNFsBzXts5GHp4Zk8sBbyF/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 26 fev. 2021.

MOREIRA, J. A.; SCHLEMMER, E. Por um novo conceito e paradigma de educação digital OnLIFE. Revista UFG, Goiânia, v. 20, n. 26, p. 1-35, jan., 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5216/revufg.v20.63438. Acesso em: 10 ago. 2021.

MORIN. E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

PASSOS, E.; BARROS, R. B. A cartografia como método de pesquisa intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 17-31.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S. (orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PIRES, E. F. W. Entrevista com Massimo Di Felice. Teccogs: Revista Digital de Tecnologias Cognitivas, São Paulo, n. 13, p. 7-19, jan-jun. 2016. Disponível em: https://www4.pucsp.br/pos/tidd/teccogs/entrevistas/2016/edicao_13/teccogs13_entrevista01.pdf. Acesso em: 26 fev. 2021.

SCHLEMMER, E. A cidade como espaço de aprendizagem: games e gamificação na constituição de Espaços de Convivência Híbridos, Multimodais, Pervasivos e Ubíquos para o desenvolvimento da Cidadania, 2020. Relatório de pesquisa, referente ao Edital: UNIVERSAL MCTI/CNPq No 01/2016. Número do Processo: 425903/2016-8. Disponível em: https://gpedu.com.br/a-cidade-como-espaco-de-aprendizagem-games-e-gamificacao-na-constituicao-de-espacos-de-convivencia-hibridos-multimodais-pervasivos-e-ubiquos-para-o-desenvolvimento-da-cidadania/. Acesso em: 09 set. 2021.

SCHLEMMER, E. et al. ECoDI: a criação de um Espaço de Convivências Digital Virtual. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 17., Brasília, 2006. [Anais...]. Brasília: SBIE, 2006.

SCHLEMMER, E. Gamificação em espaços de convivência híbridos e multimodais: uma experiência no ensino superior (cognição em jogos digitais). Projeto de Pesquisa. Edital MCTI/CNPQ/MEC/CAPES nº 43/2013. São Leopoldo, 2013.

SCHLEMMER, E. Projetos de aprendizagem gamificados: uma metodologia inventiva para a educação na cultura híbrida e multimodal. Momento-Diálogos em Educação, Rio Grande, v. 27, n. 1, p. 42-69, 2018.

SCHLEMMER, E.; DI FELICE, M. A qualidade ecológica das interações em plataformas digitais na educação. Revista Latinoamericana de Tecnología Educativa, Badajoz, v. 19, n. 2, p. 207-222, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.17398/1695-288X.19.2.207. Acesso em: 09 set. 2021.

SCHLEMMER, E.; DI FELICE, M.; SERRA, I. M. R. S. Educação OnLIFE: a dimensão ecológica das arquiteturas digitais de aprendizagem. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, e76120, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-4060.76120. Acesso em: 09 set. 2021.

SCHLEMMER, E.; MOREIRA, J. A. Ampliando conceitos para o paradigma de educação digital OnLIFE. Interacções, Santarém/Portugal, v. 16, p. 103-122, 2020. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/21039. Acesso em: 09 set. 2021.

SCHLEMMER, E.; OLIVEIRA, L. C.; MENEZES, J. O habitar do ensinar e do aprender em tempos de pandemia e a virtualidade de uma educação OnLIFE. Revista Práxis Educacional, v. 17, n. 45, 19, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i45.8339. Acesso em: 09 set. 2021.

SCHLEMMER, E. Gamificação em espaços de convivência híbridos e multimodais: design e cognição em discussão. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, v. 23, n. 42, 2014.

SERRES, M. A Grande Narrativa do Humanismo: a história da humanidade: um Conto Iniciático. Lisboa: Instituto Piaget, 2010.

SERRES, M. Atlas. Barcelona: Teorema, 1994.

SERRES, M. O contrato natural. Portugal: Instituto Piaget, 1990.

SERRES, M. Polegarzinha. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SERRES, M. Tempo de Crise. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Marques Palagi, A. M., & Schlemmer, E. (2021). RIEOnLIFE: uma rede para potencializar a emergência de uma educação ONLIFE . EmRede - Revista De Educação a Distância, 8(2), 1-20. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/792

Edição

Seção

Dossiê A educação em rede e a inovação responsáveis em tempos de pandemia