OS POLOS DE APOIO PRESENCIAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: QUE ESPAÇOSTEMPOS SÃO ESSES?

Autores

  • Fátima Kzam Damaceno de Lacerda Universidade do Estado do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0003-3990-7665
  • Inês Barbosa de Oliveira Barbosa de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v4.2.211

Palavras-chave:

cotidiano, rede sociotécnica, currículo praticado, educação a distância, formação de professores

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a importância das práticas realizadas nos polos de apoio presencial na construção dos currículos de formação de professores dos cursos oferecidos na modalidade semipresencial. Para tal, utilizamos uma abordagem do tipo etnográfica, embasada nos pressupostos da antropologia das ciências e das técnicas, em diálogo com os estudos do cotidiano. Traz os resultados de um trabalho realizado em dez polos do Estado do Rio de Janeiro, durante dois anos, envolvendo os estudantes numa perspectiva de formação pela pesquisa. Como resultado, apontamos para a pluralidade dos polos e suas invenções cotidianas que modificam as propostas curriculares oficiais e agem como atores de uma rede sociotécnica.

Biografia do Autor

Fátima Kzam Damaceno de Lacerda, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Formada em Licenciatura em Química e em Engenharia Química pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, possui Mestrado em Tecnologia de Processos Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutorado pelo Programa Multidisciplinar em Meio Ambiente da UERJ. É Especialista nas áreas de Educação Matemática e Planejamento, Implementação e Gestão em Educação a Distância. Professora do Instituto de Química da Universidade do Estado do Rio de Janeiro desde 1994, foi diretora do Polo de Educação a Distância de Nova Friburgo de 2003 a 2011 e Diretora Adjunta de Tutoria da Fundação CECIERJ de 2012 a 2013. Atualmente é Coordenadora Adjunta da Universidade Aberta do Brasil (UAB) da UERJ atuando junto aos cursos semipresenciais de licenciatura da universidade. Possui experiência na área de Bioquímica, Processos Bioquímicos e Educação, com ênfase em Educação a Distância, principalmente nos seguintes temas: educação em ciências, educação ambiental, formação de professores.

Inês Barbosa de Oliveira Barbosa de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação Jacobina (1982), mestrado em Administração de Sistemas Educacionais pelo Instituto de Altos Estudos Em Educação da FGV (1988) e doutorado em Sciences Et Théories de Léducation - Université de Sciences Humaines de Strasbourg (1993). Pós-doutora pelo Centro de Ciências Sociais da Universidade de Coimbra (2002) com Habilitation a Diriger des Recherches (HDR) pela Université de Rouen (França, 2013). Atualmente é professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Presidente da Associação Brasileira de Currículo (ABdC), além de membro do GT Currículo da ANPEd. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Teoria Geral de Planejamento e Desenvolvimento Curricular, atuando principalmente nos seguintes temas: cotidiano escolar, pesquisa nos/dos com os cotidianos, currículos pensadospraticados e emancipação social na perspectiva da justiça cognitiva e da cidadania horizontal.

Referências

BARRETO, C.C. Etapas de produção de material didático impresso para EAD: compartilhando uma experiência. In: BARRETO, C.C. et al. Planejamento e elaboração de material didático impresso para educação a distância. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2009. p. 243-269.

BIELSCHOWSKY, C.E. Educação superior a distância: uma estratégia para avaliação institucional. In: BRASIL. Ministério da Educação. Desafios da educação a distância na formação de professores. Brasília: Secretaria de Educação a Distância, 2006. p. 51-65.

BRANQUINHO, F.T.B. Educação ambiental e rede sociotécnica: escolas sustentáveis na construção da sociedade e da natureza fluminenses. Projeto FAPERJ, 2010.

BRANQUINHO, F.T.B.; SANTOS, J.S. Antropologia da Ciência, Educação Ambiental e Agenda 21 local. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 32, n. 1, 2007. p. 109-122.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORRÊA, P.S.; LACERDA, F.K.D. EAD e evasão no Polo EAD de Nova Friburgo: identificando causas e propondo soluções. In: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância (VIII ESUD), Ouro Preto, 2011. CD. 11p.

FREITAS, M.T. M.; ARRUDA, E.P. Processos de institucionalização da Educação a Distância: gestão e políticas públicas no contexto da UAB. In: FREITAS, M.T. M.; ARRUDA, E.P.; ARAÚJO, S.M. Na tessitura da distância: entre políticas, docência e tecnologia na EAD. Uberlândia: EDUFU, 2015. p. 51-69.

GARCIA, A.; OLIVEIRA, I.B. Pesquisas nos/dos/com os cotidianos: trajetória recente e novas aprendizagens. In: GARCIA, A.; OLIVEIRA, I.B. Aventuras de conhecimento: utopias vivenciadas nas pesquisas em educação. Petrópolis: DP et Alii, 2014. p. 7-22.

GARRIDO, E. Sala de aula: espaço de construção do aluno e pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In: CASTRO, A.D.; CARVALHO, A.M.P. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2001. p. 125-141.

GRANATO, T.M. et al. O destino dos alunos egressos de cursos oferecidos através do Consórcio CEDERJ. Relatório de pesquisa de egressos formados 2005-2009. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ/Consórcio CEDERJ, 2010.

LACERDA, F.K.D. Contribuições da Educação a Distância para a Educação Ambiental: utilização da rede sociotécnica na análise das concepções de meio ambiente e saúde no Polo de Nova Friburgo. 2012. 292 f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente) – PPGMA, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

______; ESPINDOLA, R. M. Evasão na Educação a Distância: um estudo de caso. Revista EAD em Foco, v. 3, p. 96-108, 2013.

LAGO, M.R.L. As contribuições das atividades de extensão na formação universitária: foco nos cursos semipresenciais

do Polo EAD de Nova Friburgo. 2015. 86 f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994. 152p.

______. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: EDUSC, 2001. 372p.

______; WOOLGAR, S. Vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997. 310p.

MANGUEL, A. Lendo imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 360p.

OLIVEIRA, I.B. Certeau e as artes de fazer: as noções de uso, tática e trajetória na pesquisa em educação. In: OLIVEIRA, I.B.; ALVES, N. (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008. p. 49-64.

______; ALVES, N. (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008. 168p.

PEREIRA, M. A relevância de uma horta no ensino superior a distância. 2016. 82 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – IBRAG, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

PINHO JÚNIOR, S. R.; ASSIS, O.S., LACERDA, F.K.D.; OLIVEIRA, A.N. A extensão universitária em um polo de educação a distância: o caso de Nova Friburgo. In: Revista EAD em foco, Fundação CECIERJ, v. 4, n. 1, p. 100-111; jun. 2014.

PRETI, O. Educação a Distância: fundamentos e políticas. Cuiabá: EdUFMT, 2009. 174 p.

SOUZA, M.P. Teoria e prática no ensino de microbiologia: propondo um método alternativo. 2016. 74 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – IBRAG, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

SOUZA, M. D.; LACERDA, F. K. D. Ciência e arte na produção de modelos em papel machê para o ensino de biologia. Rev. Aproximando. v.1, n. 2. 2015. p. 1-9. Disponível em: <http://latic.uerj.br/revista/ojs/index.php/aproximando/article/view/73/93>. Acesso em: 09 mar. 2017.

SOUZA, M.P.; MAZIN, D.P.; LACERDA; F.K.D. Evasão na educação a distância: uma análise do curso de Licenciatura em Geografia no Polo EAD de Nova Friburgo/RJ. Revista Tessituras, n. 6, 2015, p. 148-162. Disponível em: <http://www.revistatessituras.com.br/arquivo/9.pdf>.

VICTORIO FILHO, A.; BERINO, A. Na vida ordinária das escolas, as grandes proezas: pesquisar entre narrativas e imagens. In: OLIVEIRA, I.B.; GARCIA, A. (Org.). Aventuras do conhecimento: utopias vivenciadas nas pesquisas em educação. Petrópolis: DP et Alii, 2014. p. 229-243.

Publicado

2017-10-14

Como Citar

Lacerda, F. K. D. de, & Oliveira, I. B. de O. B. de. (2017). OS POLOS DE APOIO PRESENCIAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: QUE ESPAÇOSTEMPOS SÃO ESSES?. EmRede - Revista De Educação a Distância, 4(2), 303-316. https://doi.org/10.53628/emrede.v4.2.211