EGRESSOS DE CURSOS A DISTÂNCIA EM UMA VISÃO BIOECOLÓGICA DO POLO COMO LÓCUSO DO E PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Autores

  • Wilsa Maria Ramos Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento
  • Maria Cristina de Cascelli Carvalho Azevedo Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Departamento de Música.
  • Antônia Celia Barros Lins Bonfim Universidade de Brasília - Centro de Educação a Distância
  • María Débora Ortiz Rodriguez Universidade de Brasília - Instituto de Artes Departamento de Música.
  • Jane Farias Chagas-Ferreira Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento

Palavras-chave:

Egressos. Polos de educação a distância. Desenvolvimento Humano. Universidade Aberta do Brasil.

Resumo

Este estudo, descritivo e interpretativo, visa refletir sobre o papel do polo na formação dos universitários da educação a distância pelo sistema Universidade Aberta do Brasil. A formação e as interações mediadas pelo polo são analisadas a partir do modelo bioecológico do desenvolvimento humano. Como unidade física mais próxima, os polos exercem a função de integração social e acadêmica, produzindo impacto no desenvolvimento humano.


Biografia do Autor

Wilsa Maria Ramos, Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento

Pos-doutorado em Psicologia  na Universidade de Barcelona, Doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília  Mestrado em Administração de Recursos Humanos pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995). Professora Adjunta II da Universidade de Brasília. Publicações na área de EaD, educação online, etc. e pesquisas sobre evasão e permanência em cursos online, perfis e padrões de participação em cursos online, etc

Maria Cristina de Cascelli Carvalho Azevedo, Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Departamento de Música.

Doutorado em Música, área de concentração Educação Musical, pelo Programa de Pós-graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora adjunta no Departamento de Música da Universidade de Brasília, atua na área de Educação Musical. Desenvolve pesquisas na área de Formação de Professores de Música, Ensino e Aprendizagem de Música e Criatividade e Música.

Antônia Celia Barros Lins Bonfim, Universidade de Brasília - Centro de Educação a Distância

Possui licenciatura em Educação Física. É especialista em Educação a Distância pela Universidade de Brasília - 1999/2001. Tem ampla experiência na área de Educação, com ênfase em Educação à Distância. Atua no Centro de Educação a Distância da UnB, na assessoria à diretoria.

María Débora Ortiz Rodriguez, Universidade de Brasília - Instituto de Artes Departamento de Música.

Mestre em Educação Musical pela Universidade de Brasília-UnB; Especialização em Docência Universitária pela Universidad Cooperativa de Colombia-UCC; Graduação em Licenciatura en Filosofía pela Universidad Santo Tomás de Aquino-USTA de Bogotá e estudos de Licenciatura em Pedagogía Musical pela Universidad Pedagógica Nacional de Colombia-UPN. 

Jane Farias Chagas-Ferreira, Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento

Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela Universidade de Brasília .Mestre em Psicologia pela Universidade de Brasília. Professora adjunta do Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Tem experiência nas áreas de Educação, Educação a Distância e Psicologia, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano e Gestão, Planejamento e Avaliação Educacional, atuando principalmente com pesquisas nos temas: cibercultura, educação integral, educação a distância, criatividade, enriquecimento curricular, etc.

Referências

ANGULSKI, T. N. Coordenador de polo: uma discussão acerca dos conhecimentos necessários à uma boa gestão. XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Florianópolis, 07 a 09 de dez. 2011, p. s/n. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/26060/3.35.pdf>. Acesso em: 10 maio 2017.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. A. The bioecological model of human development. In: Lerner, R. M. (Org.). Handbook of child psychology: Theoretical models of human development, v. 1, 6. ed. New York: Wiley, 2006, p. 793-828.

BRONFENBRENNER, U. Ecological models of human development. In: HUSTEN, T.; POSTELETHWAITHE, T. N. (Orgs.). International encyclopedia of education. 2. ed., v. 3. New York: Elsevier, 1994, p. 1643-1647.

BRONFENBRENNER, U. The bioecological model from a life course perspective: Reflections of a participant observer. In: MOEN, P. G.; ELDER, H.; LÜSCHER, K. (Eds.). Examining lives in context. Washington, DC: American Psychological Association, 1995a, p. 599-618.

BRONFENBRENNER, U. Developmental ecology through space and time: a future perspective. In: MOEN, P. G.; ELDER, H.; LÜSCHER, K. (Eds.). Examining lives in context. Washington, DC: American Psychological Association, 1995b, p. 619-647.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1979/1996.

BRONFENBRENNER, U. Environments in developmental perspective: theoretical and operational models. In: FRIEDMAN, S. L.; WACHS, T. D. (Eds.). Measuring Environment Across the Life Span: Emerging methods and concepts. Washington, DC: American Psychological Association, 1999, p. 3-28.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: ArtMed, 2011.

BRONFENBRENNER, U. (Ed.). Making human beings human: bioecological perspectives on human development. London: Sage, 2005.

BRONFENBRENNER, U.; CECI, S. Nature-nurture reconceptualized in developmental perspective: A bioecological model. Psychological Review, v. 101, 1994, p. 568-586.

BRONFENBRENNER, U.; EVANS, G.W. Developmental science in 21st century: Emerging questions, theoretical models, research designs and empirical findings. Social Development, 9, 2000, p. 115-125.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. A. The ecology of developmental process. In: LERNER, R. M. (Org.). Handbook of child psychology: Theoretical models of human development, v. 1. New York: Wiley, 1998, p. 993-1028.

BRUNER, J. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

CHAGAS-FERREIRA, J. F. Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano: articulação de saberes para a promoção do sucesso escolar. In: DAZZANI, M. V.; SOUZA, V. L. T. (Org.). Psicologia Escolar Crítica: teoria e prática nos contextos educacionais. 1 ed. Curitiba: Átomo e Alínea, v. 1, 2016, p. 175-188.

COSTA, C. J. DA; DURAN, M. R. C. A Política Nacional de Formação de Professores entre 2005 e 2010: a nova Capes e o Sistema Universidade Aberta do Brasil. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v.9, n. 16, p. 263–313, 2011.

DESSEN, M. A.; BISINOTO, C. Avanços conceituais e teóricos em desenvolvimento humano: As bases para o diálogo multidisciplinar. IN: DESSEN, M. A.; MACIEL, D. A. (ORGS.). A ciência do desenvolvimento humano: desafios para a psicologia e a educação. Curitiba: Juruá, 2014, p. 27-107.

DIANA, J. B. O polo de apoio presencial e o desenvolvimento socioeconômico: uma leitura do entorno. 2015. Dissertação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

GAUVREAU, S., CLEVELAND-INNES, M., HAWRANIK. P. Online Professional Skills Workshops: Perspectives from Distance Education Graduate Students. International Review of Research in Open and Distributed Learning. v.17, n. 5, set. 2016.

GONZÁLEZ REY, F. O sujeito que aprende: desafios do desenvolvimento do tema da aprendizagem na psicologia e na prática pedagógica. In: TACCA, M. C. (Org.). Aprendizagem e trabalho pedagógico. Campinas: Alínea, 2006.

OLIVEIRA, M. K. de. Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 211-229, ago. 2004. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27931>. Acesso em: 01 jun 2017.

ROGOFF, B. A natureza cultural do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2005.

ROSSETTI-FERREIRA, M.C.; AMORIM, K.S.; SILVA, A.P.S. Uma perspectiva teórico-metodológica para análise do desenvolvimento humano e do processo de investigação. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 13, n. 2, p. 281-293, 2000.

SANTOS, E. Articulação de saberes na EaD online. Por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimento em ambientes virtuais de aprendizagem. In: SILVA, M. (Org.) Educação online. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

SCHULTER, C.; PIERI, M. M. N. EaD: a função do tutor presencial em suas diversas dimensões. Anais... Anais do IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão, de 7 a 11 de maio de 2012. Disponível em: <http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/ eventos/simfop/artigos_IV%20sfp/_Cl%C3%A9der_Schulter.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

SILVA, G. J.; RAMOS, W. M.O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) como Potencializador da Autonomia do estudante: estudo de Caso da UAB-UnB. Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa. v. 4, p. 92-106, 2011.

VALSINER, J. V. Culture and the development of children’s action. New York: Wiley & Sons, 1987.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 6 ed.

WERTSCH, J. Mind as action. Oxford: University Press, 1998.

YUNES, M. A. M.; JULIANO, M. C. A bioecologia do desenvolvimento humano e suas interfaces com educação ambiental. Cadernos de Educação, 37, p. 347-379, 2010. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php./caduc/article/view/ 1591/1477>. Acesso em: 20 maio 2017.

Publicado

2017-10-14

Como Citar

Ramos, W. M., Azevedo, M. C. de C. C., Bonfim, A. C. B. L., Rodriguez, M. D. O., & Chagas-Ferreira, J. F. (2017). EGRESSOS DE CURSOS A DISTÂNCIA EM UMA VISÃO BIOECOLÓGICA DO POLO COMO LÓCUSO DO E PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO. EmRede - Revista De Educação a Distância, 4(2), 328-346. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/258