A NATUREZA HÍBRIDA DO ENSINO MÉDIO À DISTÂNCIA, DESAFIOS E METODOLOGIA

Autores

  • Jorge Maurício da Silva Brito Secretaria de Estado da Educação do Amapá
  • Evaldo Expedito dos Santos Secretaria de Estado da Educação do Amapá

Palavras-chave:

Ensino-médio, Distância, Híbrido, Método

Resumo

Neste trabalho pretendemos discutir a natureza híbrida do ensino médio a distância e propor uma metodologia de sua abordagem que seja adequada a essa modalidade de educação. Apresentamos uma análise teórica descritivo-analítica com ênfase nas metodologias ativas, papéis do docente no EaD e na aprendizagem colaborativa. Constatamos que o ensino híbrido não é uma simples combinação de métodos pedagógicos diferentes (presencial e a distância), mas uma proposta de ensino polissêmica, com identidade própria, com uma pedagogia singular e que integra tanto a experiência presencial quanto a distância da aprendizagem. Além disso, constatamos também que o método híbrido exige um expediente razoável de trabalho sobre a triagem dos conteúdos do currículo, a definição de recursos, estratégias, resultados esperados e avaliações que possam mensurar a competência conceitual e experiencial do aluno.


Biografia do Autor

Jorge Maurício da Silva Brito, Secretaria de Estado da Educação do Amapá

Professor de Química da Secretaria de Estado da Educação do Amapá, Especialista em Moodle da empresa AMAPATECH - Tecnologias Educacionais Inteligentes.

Especialista em Gestão Escolar (Faculdade FATECH) e em Educação à Distância (Instituto PROMINAS)

Evaldo Expedito dos Santos, Secretaria de Estado da Educação do Amapá

Gerente do Núcleo de Tecnologia Educacional do Amapá.

Especialista em Informática pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

BARREIRO, R. M. C. Um breve panorama sobre design instrucional. EAD em Foco, Rio de Janeiro, RJ, v. 6, n .2, 2016, p.61-75.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, PR, v. 32, n. 1, p.25-40, jan./jun. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n0.1, de 02 de fevereiro de 2016: Define Diretrizes Operacionais Nacionais para o credenciamento institucional e a oferta de cursos e programas de Ensino Médio, de Educação Profissional Técnica de Nível Médio e de Educação de Jovens e Adultos, nas etapas do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, na modalidade Educação a Distância, em regime de colaboração entre os sistemas de ensino. 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=33151-resolucao-ceb-n1-fevereiro-2016-pdf&category_slug=fevereiro-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer n0.3, de 08 de novembro de 2018: Atualização das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, observadas as alterações introduzidas na LDB pela Lei nº 13.415/2017. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=102311-pceb003-18&category_slug=novembro-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Presidência da República. Decreto n0. 9.057, de 25 de maio de 2017: Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=65251-decreto9057-pdf&category_slug=maio-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 01 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Presidência da República. Decreto n0. 5.622, de 19 de dezembro de 2005: Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2005. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109743/decreto-5622-05. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, seção 1, p. 27933. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 10 abr. 2019.

BORGES. T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Salvador, BA, ano 3, n.4, p.119-143. jul./ago. 2014.

CAMILO, C. M. Blended Learning: uma proposta para o ensino híbrido. Revista EaD & Tecnologias Digitais na Educação, Dourados, MS, v. 5, n. 7, p.64-74, 2017.

CRUZ, E. Representações de alunos sobre a integração curricular das TIC no ensino básico. Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, v. 44, e157951, 2018.

FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil. 2008.

GARCIA, M. F.; RABELO, D. F.; SILVA, D. da; AMARAL, S. F. do. Novas competências docentes frente às tecnologias digitais interativas. Revista Teoria e Prática da Educação, Maringá, PR, v. 14, n. 1, p.79-87, jan./abr. 2011.

HOFFMAN, Jussara. Avaliação, mito e desafio: uma perspectiva construtivista. 16.ed. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1995.

MACDONALD, J. Blended Learning and On-line Tutoring: Planning learner support and activity design. 2nd ed. England: Gower, 2008.

MODELSKI, D.; GIRAFFA, L. M. M.; CASARTELLI, A. de O. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, v. 45, e180201, 2019.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

NAKAMURA, R. Moodle: Como criar um curso usando a plataforma de Ensino à Distância, 1ª. ed., São Paulo: Farol do Norte, 2008.

NASCIMENTO, L. M. C. T.; FRENEDOZO, R. de C.; SCHIMIGUEL, J. Uso das TICs em uma Experiência Didática para o Aprendizado Significativo. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, Porto Alegre, RS, v. 7, n. 2, p.29-46, 2017.

PEREIRA, P. R, B; LUCENA, S. K. C de. Prática pedagógica docente de mediação e facilitação no processo de ensino-aprendizagem. Revista Olhar Científico, v. 3, n. 1, p. 378-405, jan./jul. 2017.

REZENDE, M. V. de. Aprendizagem colaborativa e mediação pedagógica em curso de extensão universitária. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Minas Gerais, MG, v. 7, n. 1, 2014, p.68-83.

ROSENBERG, M. J; FOSHAY, R. E‐learning: Strategies for delivering knowledge in the digital age. Performance Improvement, New York, Willey, v. 41, n. 5, p. 50-51, maio/jun. 2002.

SILVA, J. dos S.; MAGALHÃES, A. C. de B. O papel do professor como facilitador de aprendizagem. Revista Maiêutica - Curso de Ciências Biológicas, Santa Catarina, v. 1, n. 1, p. 13-17, jul./dez. 2011.

SILVA, A. J. de C.; MARTINS, R. X. Estudo sobre a adoção de blended learning na Educação Básica. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, RS, v. 24, n. 2, p. 6-23, maio/ago. 2016.

SILVA, B.; FALAVIGNA, G. Aprendizagem ubíqua na modalidade b-learning: Estudo de caso do mestrado de tecnologia educativa da Uminho. In: Falavigna, G.; Silva, B. D. da (org.). Temas educacionais: tecnologias, sustentabilidade, docência e recursos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2016, p. 11-38.

TELES, L. Aprendizagem por e-learning. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. M. (Orgs.). Educação à distância: O estado da arte, v.1. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009, p. 72-80.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B. de; GERALDINI, A. F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, PR, v. 17, n. 52, p. 455-478, abr./jun. 2017.

VIEIRA, V. A. M. de A.; SFORNI, M. S. de F. Avaliação da aprendizagem conceitual. Educar em Revista, Curitiba, n. esp. 2, p. 45-58, 2010.

Publicado

2019-10-22

Como Citar

Brito, J. M. da S., & dos Santos, E. E. (2019). A NATUREZA HÍBRIDA DO ENSINO MÉDIO À DISTÂNCIA, DESAFIOS E METODOLOGIA. EmRede - Revista De Educação a Distância, 6(2), 308-322. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/452

Edição

Seção

Dossiê Ensino Híbrido ou Blended Learning