A NATUREZA HÍBRIDA DO ENSINO MÉDIO À DISTÂNCIA, DESAFIOS E METODOLOGIA

Jorge Maurício da Silva Brito, Evaldo Expedito dos Santos

Resumo


Neste trabalho pretendemos discutir a natureza híbrida do ensino médio a distância e propor uma metodologia de sua abordagem que seja adequada a essa modalidade de educação. Apresentamos uma análise teórica descritivo-analítica com ênfase nas metodologias ativas, papéis do docente no EaD e na aprendizagem colaborativa. Constatamos que o ensino híbrido não é uma simples combinação de métodos pedagógicos diferentes (presencial e a distância), mas uma proposta de ensino polissêmica, com identidade própria, com uma pedagogia singular e que integra tanto a experiência presencial quanto a distância da aprendizagem. Além disso, constatamos também que o método híbrido exige um expediente razoável de trabalho sobre a triagem dos conteúdos do currículo, a definição de recursos, estratégias, resultados esperados e avaliações que possam mensurar a competência conceitual e experiencial do aluno.



Palavras-chave


Ensino-médio; Distância; Híbrido; Método

Texto completo:

PDF

Referências


BARREIRO, R. M. C. Um breve panorama sobre design instrucional. EAD em Foco, Rio de Janeiro, RJ, v. 6, n .2, 2016, p.61-75.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, PR, v. 32, n. 1, p.25-40, jan./jun. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n0.1, de 02 de fevereiro de 2016: Define Diretrizes Operacionais Nacionais para o credenciamento institucional e a oferta de cursos e programas de Ensino Médio, de Educação Profissional Técnica de Nível Médio e de Educação de Jovens e Adultos, nas etapas do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, na modalidade Educação a Distância, em regime de colaboração entre os sistemas de ensino. 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=33151-resolucao-ceb-n1-fevereiro-2016-pdf&category_slug=fevereiro-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer n0.3, de 08 de novembro de 2018: Atualização das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, observadas as alterações introduzidas na LDB pela Lei nº 13.415/2017. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=102311-pceb003-18&category_slug=novembro-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Presidência da República. Decreto n0. 9.057, de 25 de maio de 2017: Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=65251-decreto9057-pdf&category_slug=maio-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 01 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Presidência da República. Decreto n0. 5.622, de 19 de dezembro de 2005: Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2005. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109743/decreto-5622-05. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, seção 1, p. 27933. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 10 abr. 2019.

BORGES. T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Salvador, BA, ano 3, n.4, p.119-143. jul./ago. 2014.

CAMILO, C. M. Blended Learning: uma proposta para o ensino híbrido. Revista EaD & Tecnologias Digitais na Educação, Dourados, MS, v. 5, n. 7, p.64-74, 2017.

CRUZ, E. Representações de alunos sobre a integração curricular das TIC no ensino básico. Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, v. 44, e157951, 2018.

FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil. 2008.

GARCIA, M. F.; RABELO, D. F.; SILVA, D. da; AMARAL, S. F. do. Novas competências docentes frente às tecnologias digitais interativas. Revista Teoria e Prática da Educação, Maringá, PR, v. 14, n. 1, p.79-87, jan./abr. 2011.

HOFFMAN, Jussara. Avaliação, mito e desafio: uma perspectiva construtivista. 16.ed. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1995.

MACDONALD, J. Blended Learning and On-line Tutoring: Planning learner support and activity design. 2nd ed. England: Gower, 2008.

MODELSKI, D.; GIRAFFA, L. M. M.; CASARTELLI, A. de O. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, v. 45, e180201, 2019.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

NAKAMURA, R. Moodle: Como criar um curso usando a plataforma de Ensino à Distância, 1ª. ed., São Paulo: Farol do Norte, 2008.

NASCIMENTO, L. M. C. T.; FRENEDOZO, R. de C.; SCHIMIGUEL, J. Uso das TICs em uma Experiência Didática para o Aprendizado Significativo. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, Porto Alegre, RS, v. 7, n. 2, p.29-46, 2017.

PEREIRA, P. R, B; LUCENA, S. K. C de. Prática pedagógica docente de mediação e facilitação no processo de ensino-aprendizagem. Revista Olhar Científico, v. 3, n. 1, p. 378-405, jan./jul. 2017.

REZENDE, M. V. de. Aprendizagem colaborativa e mediação pedagógica em curso de extensão universitária. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Minas Gerais, MG, v. 7, n. 1, 2014, p.68-83.

ROSENBERG, M. J; FOSHAY, R. E‐learning: Strategies for delivering knowledge in the digital age. Performance Improvement, New York, Willey, v. 41, n. 5, p. 50-51, maio/jun. 2002.

SILVA, J. dos S.; MAGALHÃES, A. C. de B. O papel do professor como facilitador de aprendizagem. Revista Maiêutica - Curso de Ciências Biológicas, Santa Catarina, v. 1, n. 1, p. 13-17, jul./dez. 2011.

SILVA, A. J. de C.; MARTINS, R. X. Estudo sobre a adoção de blended learning na Educação Básica. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, RS, v. 24, n. 2, p. 6-23, maio/ago. 2016.

SILVA, B.; FALAVIGNA, G. Aprendizagem ubíqua na modalidade b-learning: Estudo de caso do mestrado de tecnologia educativa da Uminho. In: Falavigna, G.; Silva, B. D. da (org.). Temas educacionais: tecnologias, sustentabilidade, docência e recursos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2016, p. 11-38.

TELES, L. Aprendizagem por e-learning. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. M. (Orgs.). Educação à distância: O estado da arte, v.1. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009, p. 72-80.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B. de; GERALDINI, A. F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, PR, v. 17, n. 52, p. 455-478, abr./jun. 2017.

VIEIRA, V. A. M. de A.; SFORNI, M. S. de F. Avaliação da aprendizagem conceitual. Educar em Revista, Curitiba, n. esp. 2, p. 45-58, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Jorge Maurício da Silva Brito, Evaldo Expedito dos Santos

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

EmRede - Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, RS, Brasil.

ISSN: 2359-6082

Classificação em Qualis Periódicos B4 (2019)
Indexação (consulte a seção Sobre)


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional ((CC BY-NC-SA 4.0).