A HIBRIDIZAÇÃO COMO CAMINHO PARA A INOVAÇÃO DO ENSINOAPRENDIZAGEM

Autores

Palavras-chave:

Ensino Hibrido. Metodologias Ativas de Aprendizagem. Tecnologias Educacionais. Competência de Organização.

Resumo

Por reconhecer o valor da hibridização e sua capacidade em apresentar alternativas para a inovação no ensino-aprendizagem, esse artigo indica práticas de metodologias ativas e tecnologias educacionais que podem compor a dinâmica didático-pedagógica de cursos oferecidos de forma híbrida, a fim de sugerir caminhos possíveis para professores interessados em mobilizar novas formas de ensinar e aprender. Além disso, destaca quais competências e habilidades são exigidas para esse professor. As reflexões compartilhadas nesse texto são resultado de uma síntese das práticas realizadas pela autora nos últimos 14 anos no campo do ensino híbrido, bem como de leituras de referências teóricos relevantes para pesquisa em educação, como Moran, Ausubel, Vygotsky, Silberman, Bruner e Antônio Nóvoa.

Biografia do Autor

Maria Carolina Santos de Souza, Universidade Federal da Bahia - UFBA Escola de Administração - EAUFBA

Professora Adjunta - UFBA /EAUFBAVice-Chefe do Departamento de Administração - EAUFBAPesquisadora do GEPICC - http://www.gepicc.ufba.br/Membro do Programa de Pos-graduação em Gestão Social - CIAGS/UFBADoutora em Difusão do Conhecimento - UFBA/FACEDMestre em Ciência da Informação - UFBA/ICIBacharel em Ciência da Computação - UNIFACS

Referências

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

FROES BURNHAM, Teresinha. Políticas de educação a distância no Brasil. Buscando entender o discurso oficial contemporâneo. Versão não publicada. Salvador. 2002.

BRASIL. Ministério de Educação e Comunicação do Brasil. Portaria Nº 4.059/04. [online]. Brasília, 10 dez;2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/ pdf/port4059-2004.pdf. Acesso em: 14 mar 2013.

MACEDO, Roberto Sidnei. Chrysallís, currículo e complexidade: a perspectiva crítico-multirrefrencial e o currículo contemporâneo. Salvador: EDUFBA, 2002.

MATURANA, H. Cognição, Ciência e Vida Cotidiana. Tradução de Cristina Magro. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v.2, 2015.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

NÓVOA, A. O Professor Pesquisador e Reflexivo. Entrevista concedida em 13 de setembro de 2001. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/ entrevistas/antonio_novoa.htm. Acesso em: 11 fev. 2013.

PAIVA, M. R. F. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE- Revista de Políticas Públicas, v. 15, n. 2, 2017.

SILBERMAN, M. Active learning: 101 strategies do teach any subject. Massachusetts: Ed. Allyn and Bacon, 1996.

VIGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 1987.

Publicado

2019-10-22

Edição

Seção

Dossiê Ensino Híbrido ou Blended Learning