Pandemia e escolarização indígena: o enfrentamento da evasão escolar indígena pós-pandemia com o apoio da educação mediada pelas tecnologias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v8.1.692

Palavras-chave:

educação, escolarização indígena, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, evasão escolar, pandemia

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar o conjunto de estratégias e mecanismos pedagógicos empregados para o auxílio e manutenção da rotina escolar no Colégio Estadual Indígena Tupinambá do Acuípe de Baixo no município de Ilhéus no Estado da Bahia. Tais estratégias visaram incentivar a permanência dos atores escolares em isolamento social, principal forma de prevenção do contágio e da propagação do vírus responsável pela pandemia que assolou o mundo no ano de 2020 e inviabilizou o Ensino Presencial nas instituições públicas e privadas do Brasil. De forma mais específica, este estudo busca identificar quais são os resultados esperados no atendimento escolar, mediado pelas tecnologias no esforço de evitar a evasão escolar indígena, e no auxílio à manutenção da rotina de estudos para a permanência dos alunos no processo de escolarização pós-pandemia.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Vieira Braga, Universidade de Brasília

Doutoranda em Educação e Tecnologia- UnB. Mestra em tradução pela UnB – Brasília - DF, Especialista em Gestão e Administração Escolar, Pedagoga, Licenciada em Letras/Latim, professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. Membro pesquisadora do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação, Gestão e Cultura Regional, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq e do grupo ÁBACO- UnB. Tem experiência na área de Educação no ensino de língua portuguesa, língua estrangeira, formação de professores e revisão textual

Francisco Darci Feitosa, Universidade Estadual de Goiás

Mestrando em educação na Universidade Estadual do Goiás, especialista em Cenários e Modalidades de Educação à Distância da faculdade Metropolitana. Graduado em Pedagogia pela UEG - Câmpus Luziânia - GO. Presidente da instituição filantrópica C.E.U. (Centro Ecumênico Universalista) Nossa Senhora Aparecida, entidade de natureza assistencial e educacional atuante no Distrito do Jardim do Ingá, Luziânia - GO. Membro pesquisador do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação, Gestão e Cultura Regional, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq. Tem experiência na área de Educação nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e no ensino de língua estrangeira. E-mail: franciscodarcifeitosa@gmail.com

 

Jorge Manoel Adão, Universidade Estadual de Goiás

Pós-Doutor em Tecnologias Contemporâneas e Desenvolvimento Cognitivo (UFRJ), Doutor em Educação (UFRGS). Professor da Universidade Estadual de Goiás (UEG) - Câmpus Luziânia - GO. Coordenador do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Docência e Gestão da Educação Superior (desde 2015) da UEG. Líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação, Gestão e Cultura Regional, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nas Questões Étnico-Raciais, Políticas Públicas e em Tecnologias Contemporâneas. E-mail: jorgeadao@yahoo.com.br

Larissa Costa Melo, Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Acuípe de Baixo em Ilhéus/Ba

Professora da Rede Estadual de Ensino da Educação Básica na Bahia, atua como gestora do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Acuípe de Baixo em Ilhéus/Ba. Graduada em Letras, Língua Espanhola e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), pós graduada em Educação de Jovens e Adultos pela Faculdade de Educação São Luís, com certificação em Metodologia de Ensino de Língua Espanhola pela UNINTER, Gestão Escolar e Educação Especial e Inclusiva pelo Centro Científico Conhecer e aperfeiçoamento em Tecnologias Educacionais II pelo Instituto Anísio Teixeira.

Referências

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVIZANI, F. M. Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: PENSO, 2015.

BELLUCCI, J. N.; SANTOS, G. L. TICE orientadas a indivíduos com TA: uma revisão narrativa e seus apontamentos. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 27, p. 1-20, jan./dez. 2021. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/36040. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 5, de 22 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11074-rceb005-12-pdf&category_slug=junho-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 26 fev. 2021.

COLÉGIO ESTADUAL INDÍGENA TUPINAMBÁ DE ACUÍPE DE BAIXO (CEITAB). Projeto Político Pedagógico. Ilhéus: CEITAB, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 26 fev. 2021.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1993.

LOPES, M. S. Evasão e Fracasso Escolar de Alunos de Comunidades Indígenas do Instituto Federal de Roraima/Campus Amajari: um estudo de caso. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação)- Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/5792. Acesso em: 26 fev. 2021.

ROMESIN, H. M.; GARCÍA, F. J. V. De máquinas e seres vivos: autopoiese: a organização do vivo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

NUNES, E. S. Aldeias Urbanas ou Cidades Indígenas? Reflexões sobre índios e cidades. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 9-30, jan./jun. 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/8289/7642. Acesso em: 26 fev. 2021.

RIBEIRO, D. As Américas e a civilização: processo de formação e causas do desenvolvimento desigual dos povos americanos. Rio de Janeiro: Civilização, 1970.

SANTANA, J. V. J. A letra é a mesma, mas a cultura é diferente: a escola dos Tupinambá de Olivença. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia Social)- Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7680. Acesso em: 26 fev. 2021.

Publicado

2021-07-16

Como Citar

Veira Braga, A. C., Feitosa, F. D., Adão, J. M. ., & Costa Melo, L. . (2021). Pandemia e escolarização indígena: o enfrentamento da evasão escolar indígena pós-pandemia com o apoio da educação mediada pelas tecnologias. EmRede - Revista De Educação a Distância, 8(1). https://doi.org/10.53628/emrede.v8.1.692