APRENDENDO COM E NA SALA DE AULA ADITREVNI

Autores

  • Eliane Martins Quadrelli Justi "Grupo Universitario Internacional UNINTER"

Palavras-chave:

Sala de Aula Invertida, Metodologias Ativas, Pesquisa Interdisciplinar

Resumo

O presente estudo é uma das partes de um projeto de pesquisa maior, relativo aos conhecimentos necessários ao professor que trabalha em cursos semipresenciais usando a lógica da sala de aula invertida. A metodologia utilizada é a da pesquisa-ação. A Instituição de Ensino Superior pesquisada sugere para o trabalho docente em cursos semipresenciais, a adoção do método de sala de aula invertida, ficando a transmissão de conceitos a cargo da mediação tecnológica (Ambiente Virtual de Aprendizagem), posicionando o estudante no centro do processo e o professor na mediação do conhecimento. Nesta fase inicial destacamos como desafios e avanços postos ao professor: a) de inverter lógicas, espaços geográficos e humanos na busca de uma educação mais autônoma, subjetiva e humanizada; b) a busca para instituir um diálogo problematizador; c) o encaminhamento de ações interdisciplinares. Palavras-chave: sala de aula invertida; educação semipresencial; metodologias ativas.

Biografia do Autor

Eliane Martins Quadrelli Justi, "Grupo Universitario Internacional UNINTER"

Professora no Curso Semipresencial e presencial no Curso de Pedagogia.

Referências

REFERÊNCIAS

BORGES; T. S.; ALENCAR G. Metodologias Ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista. Jul/Ago 2014, Ano 03, n° 04, p. 119-143 , ISSN 22377719.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. Campinas: Papirus, 1994.

FAZENDA, I. (Org.). Dicionário em Construção: interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2001.

FERNANDEZ; A. A inteligência Aprisionada. Trad. Iara Rodrigues. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GIL, A. C. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 2005.

PETIT, M. A arte de ler – ou como resistir a diversidade. Trad. Arthur Bueno e Camila Boldrini. São Paulo: Ed. 34, 2009.

SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (Orgs.). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens –Vol.II. Ponta Grossa. UEPG-PROEX, 2015.

Internet

CASALI, A. Os Gêneros de Texto na obra de Paulo Freire: um legado pedagógico e literário. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.10 n.03 dez.2012, ISSN: 1809-3876 Programa de Pós-graduação Educação: Currículo – PUC/SP http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum.

LACORTE, R. F. Sala de aula invertida para uma aprendizagem invertida. Aprendizagem Aberta e Invertida:6º.Simpósio Hipertexto e tecnologias na educação. 2º.Colóquio Internacional de Educação com tecnologias. UFPE – Recife 07 e 08 de dezembro, 2015. Diponível: http://www.simposiohipertexto.com.br/2015/04/19/sala-de-aula-invertida-para-uma-aprendizagem-invertida/.

ROCHA, E. F. Metodologias Ativas: um desafio além das quatro paredes da sala de aula.Enped,2012.https://www.facebook.com/enped2012.Lattes:http://lattes.cnpq.br/1682585826032961.

SCHELL, J. Sete Mitos sobre a Metodologia “Sala de Aula Invertida” (FlippedClassroon), uma série interativa de perguntas. Tradução: Maykon Müller (IF-UFRGS/Brasil). Junho, 2013. http://blog.peerinstruction.net/sete-mitos-sobre-a-metodologia-sala-de-aula-invertida-flipped-classroom-uma-serie-interativa-de-perguntas/.

Publicado

2016-09-12