ESTUDOS COMPARATIVOS ENTRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRESENCIAL EM CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE: UMA REVISÃO.

Autores

  • Agnes Nogueira Gossenheimer UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Farmácia Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas.
  • Mara Lucia Fernandes Carneiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pscicologia
  • Mauro Silveira de Castro UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Farmácia Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas.

Palavras-chave:

educação a distância, educação farmacêutica, farmácia clínica,

Resumo

Muitas alterações têm ocorrido na educação da área da saúde, com o intuito de formar profissionais que possam ter um olhar humanístico e possam trabalhar no Sistema Único de Saúde. A Farmácia também sofreu modificações, devido às reformas curriculares, incluindo disciplinas como a de Atenção Farmacêutica. Foi realizada uma revisão sistemática com o objetivo de apresentar os exemplos de experiências presentes no campo de educação a distância, em cursos da área da saúde, para relatar o estado atual da arte, bem como as tendências futuras que podem ser identificadas. A maioria dos estudos encontrados avaliou o desempenho dos estudantes, grau de interação, preferência, satisfação, efetividade, problemas e benefícios relacionados, aceitação, envolvimento, comunicação e carga de trabalho.

Biografia do Autor

Agnes Nogueira Gossenheimer, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Farmácia Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas.

Possui Graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2010), Mestrado Acadêmico em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2013). Atualmente é doutoranda no Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas pela UFRGS, bolsista CNPQ. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Atenção Farmacêutica, atuando principalmente nos seguintes temas: Adesão ao Tratamento, Atenção Farmacêutica, Hipertensão, Diabetes, Dislipidemias, Farmácia Clínica, Avaliações de Tecnologias da Saúde, Educação Farmacêutica e Educação a Distância. Atualmente participa do Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento em Atenção Farmacêutica, é membro da Comissão de Farmácia Clínica do CRFRS e foi Presidente da Associação dos Farmacêuticos do Rio Grande do Sul (AFARGS) gestão 20014-2015. Em 2016 recebeu o Prêmio de ?Estudios relativos a Formación y Docencia? no Simpodader Internacional de Granada (Espanha).

Mara Lucia Fernandes Carneiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pscicologia

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), especialização em Metodologia do Ensino Superior (PUCRS, 1987) e em Informática na Educação (PUCRS, 1992), mestrado em Ciência da Computação pela PUCRS (1996) e doutorado em Informática na Educação pela UFRGS (2003). Foi Vice-Coordenadora do Núcleo de Apoio Pedagógico à Educação a Distância (NAPEAD/SEAD) entre 2010 e 212 e Secretária de Educação a Distância (SEAD/UFRGS) na gestão 2012-2016. Professora Associada II do Departamento de Psicologia Social e Institucional Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde atua na formação básica em Psicologia Social e suas relações com as tecnologias em diversos cursos da universidade. Como pesquisadora, os temas de interesse são educação a distância, formação de docentes e tutores para a EaD, produção de objetos de aprendizagem e suas vinculações com a cognição e os processos de subjetivação.

Mauro Silveira de Castro, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Farmácia Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas.

Possui graduação em Curso de Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), graduação em Ênfase Em Bioquímica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), mestrado em Farmacologia pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (1996) e doutorado em Medicina: Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Atenção Farmacêutica, atuando principalmente nos seguintes temas: atenção farmacêutica, adesão, educação de pacientes, uso racional de medicamentos e assistência farmacêutica. É Coordenador do Curso Farmacêuticos na APS: trabalhando em Rede. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Assistência Farmacêutica - Associação de IES.

Referências

AGGARWAL, R., N. GUPTE, et al. A comparison of online versus on-site training in health research methodology: a randomized study. BMC Med Educ, p. 11-37, 2011.

ALSHARIF, N. Z., V. F. ROCHE, et al. Evaluation of Performance and Learning Parity Between Campus-based and Web-based Medicinal Chemistry Courses. American Journal of Pharmaceutical Education. n. 69, e. 2, 2005.

ARIEIRA J. O. Avaliação do aprendizado via educação a distância: a visão dos discentes. Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 17, n. 63, p. 313-340, abr./jun, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 2, de 19 de fevereiro de 2002, que Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília/DF, 4 de março de. Seção 1, p. 9, 2002.

BRESLOW, R. M. A Comparison of Academic Performance of Off-Campus Nontraditional PharmD Students With Campus-Based PharmD Students. American Journal of Pharmaceutical Education. n. 69, e. 1, 2005.

CLARKE M, OXMAN AD, EDITORS. Cochrane Reviewers’ Handbook 4.1 [updated June 2000]. In: Review Manager (RevMan) [Computer program]. Version 4.1. Oxford, England: The Cochrane Collaboration, 2000.

CONGDON, H. B., D. A. NUTTER, et al. Impact of Hybrid Delivery of Education on Student Academic Performance and the Student Experience. American Journal of Pharmaceutical Education. n. 73, e. 7, p 121, 2009.

COOSE, C. S. Distance nursing education in Alaska: A longitudinal study. Nursing Education Perspectives. N. 31, e.2, p: 93-96, 2010.

CRAGG, C. E., J. DUNNING, et al. Teacher and Student Behaviors in Face-to-Face and Online Courses: Dealing with Complex Concepts. Journal of Distance Education. n. 22, e. 3, p: 115-128, 2008.

CURRAN, V. R., L. J. FLEET, et al. A comparative evaluation of the effect of Internet-based CME delivery format on satisfaction, knowledge and confidence. BMC Med Educ. 10: 10, 2010.

DORRIAN, J. and D. WACHE. Introduction of an online approach to flexible learning for on-campus and distance education students: Lessons learned and ways forward. Nurse Education Today. n. 29, e. 2, p: 157-167, 2009.

ELLIOTT, R. A., J. MCDOWELL, et al. A pharmacy preregistration course using online teaching and learning methods. American Journal of Pharmaceutical Education. n. 73, e. 5, p: 77, 2009.

FAULKNER, T. P., J. J. CHRISTOFF, et al. Pilot Study of a Distance-Learning Methodology Used on Campus for First Professional Degree Pharmacy Students in an Integrated Therapeutics Module. American Journal of Pharmaceutical Education. n. 69, e. 1, p: 7, 2005.

FEUERWERKER L.C.M. Estratégias para a mudança da formação dos profissionais de saúde. Caderno de Currículo e Ensino. 2001.

FIKE, D. S., K. L. MCCALL, et al. Achieving Equivalent Academic Performance Between Campuses Using a Distributed Education Model. American Journal of Pharmaceutical Education n.73, e.5, p: 88, 2009.

FORAL, P. A., P. D. TURNER, et al. Faculty and Student Expectations and Perceptions of E-mail Communication in a Campus and Distance Doctor of Pharmacy Program. American Journal of Pharmaceutical Education n.74, e.10, p: 191, 2010.

GADBURY-AMYOT, C. C. and W. G. BROCKMAN. Transition of a traditional pharmacology course for dental students to an online delivery format: a pilot project. Journal of dental education n.75, e.5, p: 633-645, 2011.

GOSSENHEIMER, A. N., CARNEIRO, M. L. F., CASTRO, M. S. Uso do Júri Simulado Virtual em disciplina do curso de Farmácia. Espaço para a Saúde (Online), v. 15, p. 16, 2014.

GOSSENHEIMER, A. N., CARNEIRO, M. L. F., CASTRO, M. S. Dinâmica de grupo júri simulado virtual em disciplina do curso de farmácia. RENOTE. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, p. 1, 2014b.

GOSSENHEIMER, A.N., CARNEIRO, M.L.F.; CASTRO, M.S. Estudo comparativo da metodologia ativa -gincana- nas modalidades presencial e à distância em curso de graduação de Farmácia. ABCS Health Sciences, v. 40, p. 234-240, 2015.

GOSSENHEIMER, A. N., BEM, T., CARNEIRO, M.L.F., CASTRO, M. S. Impact of distance education on academic performance in a pharmaceutical care course. Plos One, 2017.

GUNAWARDENA C., LOWE C., ANDERSON and T., The Design, Implementation and Evaluation of a Worldwide On-Line Debate, VI Congreso Internacional: Tecnologia y Educacion a Distancia, Memoria, Editorial Universidad Estatal a Distancia, San Jose, Costa Rica, p: 195-206, 1995.

IVAMA, A. M.; GALAN, M. T. A. A educação e a prática farmacêutica no Brasil e na Espanha. Olho Mágico, Londrina, v. 6, n. 22, p. 28-30, ago, 2000.

JAMERO, D. J., A. BORGHOL, et al. Comparison of computer-mediated learning and lecture-mediated learning for teaching pain management to pharmacy students. Am J Pharm Educ n.73, e.1, p: 5, 2009.

KENNEDY, D. M. Dimensions of distance: A comparison of classroom education and distance education. Nurse Education Today n.22, e.5, p: 409-416, 2002.

LENZ, T. L., M. S. MONAGHAN, et al. Using Performance-based Assessments to Evaluate Parity Between a Campus and Distance Education Pathway. American Journal of Pharmaceutical Education n.70, e.4, p: 90, 2006.

LENZ, T. L., R. M. JONES, et al. Faculty Workload Comparison Between a Campus-based and Internet-based Patient Assessment Course. American Journal of Pharmaceutical Education n.69, e.4, p: 67, 2005.

MACLAUGHLIN, E. J., R. B. SUPERNAW, et al. Impact of Distance Learning Using Videoconferencing Technology on Student Performance. American Journal of Pharmaceutical Education n.68, e.3, p: 58, 2004.

MARING, J., E. COSTELLO, et al. Student outcomes in a pathophysiology course based on mode of delivery: distance versus traditional classroom learning. Journal of Physical Therapy Education n.22, e.1, p: 24-32, 2008.

MEHVAR, R. A participation requirement to engage students in a pharmacokinetics course synchronously taught at a local and distant campus. Am J Pharm Educ. n.74, e.7, p: 118, 2010.

OXMAN AD, GUYATT GH. The science of reviewing research. Annals of the New York Academy of Sciences, n.703, p:125-133, 1993.

PAI, V. B., K. A. KELLEY, et al. A technology-enhanced patient case workshop. Am J Pharm Educ n.73, e.5, p: 86, 2009.

RIED, L. D. and M. MCKENZIE. A Preliminary Report on the Academic Performance of Pharmacy Students in a Distance Education Program. American Journal of Pharmaceutical Education n.68, e.3, p: 65, 2004.

RIED, L. D., C. MOTYCKA, et al. Comparing Self-reported Burnout of Pharmacy Students on the Founding Campus With Those at Distance Campuses. American Journal of Pharmaceutical Education n.70, e.5, p: 114, 2006.

RIED, L. D. and K. BYERS. Comparison of Two Lecture Delivery Platforms in a Hybrid Distance Education Program. American Journal of Pharmaceutical Education n.73,e.5, p: 95, 2009.

STEINBERG, M. and A. K. MORIN. Academic Performance in a Pharmacotherapeutics Course Sequence Taught Synchronously on Two Campuses Using Distance Education Technology. American Journal of Pharmaceutical Education n.75,e.8, p: 150, 2011.

Publicado

2017-10-14

Como Citar

Gossenheimer, A. N., Carneiro, M. L. F., & de Castro, M. S. (2017). ESTUDOS COMPARATIVOS ENTRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRESENCIAL EM CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE: UMA REVISÃO. EmRede - Revista De Educação a Distância, 4(1), 73-90. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/186