ENSINO HÍBRIDO: ORGANIZAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS COM BASE EM REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

Autores

  • Rosana Abutakka Vasconcelos dos Anjos Universidade Federal de Mato Grosso
  • Lídia Martins da Silva Universidade Federal de Mato Grosso
  • Alexandre Martins dos Anjos Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Educação híbrida. Ensino híbrido. Tecnologias digitais.

Resumo

O ensino híbrido como estratégia educativa vem ganhando espaço no cenário educacional, em especial por combinar atividades presenciais e on-line. No entanto, são perceptíveis lacunas a respeito de sua apreensão conceitual que, por vezes, se apresenta de maneira sumarizada ou até mesmo ambígua. Pensando nisso, esse artigo teve por objetivo realizar um levantamento de conceitos a partir de pesquisas publicadas na academia, visando disponibilizar um quadro conceitual que abarque entendimentos e compreensões de ensino híbrido. Com aporte metodológico da abordagem qualitativa, fez-se uso do método de Revisão Sistemática da literatura, o qual possibilitou perceber e desvelar algumas dubiedades conceituais existentes sobre esse tema, e ainda prospectar novos horizontes, como o da Educação Híbrida.

Referências

ANJOS, R. A. V. dos. ALONSO, K. M.; ANJOS, A. M.; PIRES, F. M. P. Aprender no Contexto da Cibercultura: o hibridismo em pauta. In: XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA. 2018, Natal - Rio Grande do Norte. Anais eletrônicos[...] Natal: UFRN Disponível em: https://esud2018.ufrn.br/anais/. Acesso em: 03 maio 2019.

BACICH, L; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (Org.). Ensino Híbrido – personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BONK C. J.; GRAHAM C. R. Handbook of blended learning: Global perspectives, local designs. San Francisco, CA: Pfeiffer, 2005.

BRASIL. Portaria Nº 4.059, de 10 de dezembro de 2004. Disposta pelo Ministério da Educação, regulamenta modalidade semipresencial. DOU de 13/12/2004, Seção 1, p. 34. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/port4059-2004.pdf. Acesso em: 11 maio 2019.

BRASIL. Portaria Nº 1.134, de 10 de outubro de 2016. Disposta pelo Ministério da Educação, Revoga a Portaria MEC nº 4.059, de 10 de dezembro de 2004, e estabelece nova redação para o tema. DOU nº 196, terça-feira, 11 de outubro de 2016, Seção 1, Página 21. Disponível em: http://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Port-MEC-1134-2016-10-10.pdf. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Portaria Nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Disposta pelo Ministério da Educação, dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior - IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial. DOU nº 250, de 31 de dezembro de 2018, Seção 1, página 59. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=

-portaria-1428&category_slug=fevereiro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 maio 2019.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. 2013. Disponível em: https://www.christenseninstitute.org/publications/ensino-hibrido/. Acesso em: 27 abr.2019.

CORADINI, F. S. A educação híbrida no processo de formação de professores mediado pelas funcionalidades da rede social Edmodo. Revista Educacional Interdisciplinar. v. 6, n. 1, 2017. Disponível em: https://seer.faccat.br/index.php/redin/article/view/ 598. Acesso em: 11 maio 2019.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.) Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FINK, A. Conducting research literature reviews: From the Internet to paper. 2 ed. Thousand Oaks: Sage, 2005.

FREITAS, C. H. T. de. Metodologia da pesquisa científica e educacional. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso, Secretaria de Tecnologia Educacional, 2019.

FULKERTH, R. A Case Study from Golden Gate University: Using Course Objectives to Facilitate Blended Learning in Shortened Courses. Journal of Asynchronous Learning Networks, v. 13, n. 1, 2009, p. 43-54.

GALVÃO, T. F.; PEREIRA, M. G. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. 2014). Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n. 1, p. 183-184, jan-mar 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v23n1/2237-9622-ress-23-01-00183.pdf. Acesso em: 28 abr. 2019.

GARRISON, D. R.; VAUGHAN, N. Blended Learning in higher education. São Francisco: Jossey Bass, 2008.

GODINHO, V. T.; GARCIA, C. A. A. caminhos híbridos da educação-delimitando possibilidades. In: AIMPOSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, ENCONTRO DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. 2016, São Carlos – SP. Anais eletrônicos[...] São Carlos: UFSCAR Disponível em: http://www.sied-enped2016.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/issue/view/7. Acesso em: 10 maio 2019.

HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Tradução: Maria Cristina Gularte Monteiro. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORAN, J. M. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. BACICH, L.; MORAN, J. M. (Org.). Porto Alegre: Penso, 2018.

OSGUTHORPE, R. T.; GRAHAM, C. R. Blended learning environments: Definitions and directions. Quart Rev Dist Educ, v. 4, n. 3, 2003, p. 227–233. Disponível em: https://www.learntechlib.org/p/97576/. Acesso em: 05 maio 2019.

PINTO-LLORENTE, A. M.; SÁNCHEZ-GÓMEZ, M. C.; GARCÍA-PEÑALVO, F. J. Student Perception of the Use of a Blended-Learning Model to Improve Grammatical Competence. In: G. R. Alves & M. C. Felgueiras (Eds.), PROCEEDINGS OF THE THIRD INTERNATIONAL CONFERENCE ON TECHNOLOGICAL ECOSYSTEMS FOR ENHANCING MULTICULTURALITY (TEEM’15), Porto, Portugal, 7-9 out. 2015), p. 91-98. New York, USA: ACM. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/ 301453304_Student_perception_of_the_use_of_a_blended-learning_model_to_improve_grammatical_competence. Acesso em: 10 maio 2019.

SILVA, L. L. M.; MELO, A. L. S.; CASTRO, A. M. de; MELO, M. A. S. Principais etapas do processo de elaboração de uma revisão sistemática de literatura. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO, ENSINO E EXTENSÃO DO CCSEH – SEPE, 2015, Anápolis. Anais [...]. Anápolis: universidade Estadual de Goiás, 2015. Disponível em: http://www.anais.ueg.br/index.php/sepe/article/viewFile/6534/4237. Acesso em: 28 abr. 2019.

SILVA, M. R. C.; MACIEL, C.; ALONSO, K. M. Hibridização do ensino nos cursos de graduação presenciais das universidades federais: uma análise da regulamentação. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação. v. 33, n. 1, 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/74042. Acesso em: 07 maio 2019.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. In: Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. BACICH, L.; MORAN, J. M. (Org.). Porto Alegre: Penso, 2018.

WEBER, D. J. Reflexões sobre processos educativos em espaços virtuais de instituições culturais. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, v. 13, 2017, p. 016-020. Disponível em: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.13.2162. Acesso em: 05 maio 2019.

Publicado

2019-10-22

Edição

Seção

Dossiê Ensino Híbrido ou Blended Learning