O estágio curricular supervisionado em tempos de pandemia: experiência em um curso de ciências biológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53628/emrede.v8.1.710

Palavras-chave:

Estágio Remoto., Formação de professores de Ciências, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação

Resumo

O objetivo do artigo é contribuir para a formação de professores de Ciências Biológicas a partir das experiências vivenciadas durante o Estágio Curricular Supervisionado Remoto em 2020. Nesse ano, a educação teve que se adaptar, e com isso novos temas foram abordados sobre o Ensino Remoto, apontado como uma alternativa viável para dar continuidade aos estudos e enfrentar a situação crítica vivenciada pela população mundial no período de pandemia. Nesse contexto, escolas e universidades sofreram com mudanças radicais no que se refere ao processo de ensino e aprendizagem, bem como ao uso intensivo das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC). Como resultado, são apresentados os relatos de experiência dos estagiários e as diretrizes para o desenvolvimento do estágio em tempo de Ensino Remoto Emergencial.

 

Biografia do Autor

Dafne Fonseca Alarcon, UDESC/CEAD - professora colaboradora EAD - Pedagogia.

Professora Colaboradora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) do Centro de Educação a Distância (CEAD) no Curso de Licenciatura em Pedagogia. Designer Educacional e Sistema Tutorial. Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (EGC-UFSC) com pesquisa nas áreas de mídia, inovação e educação. Mestre em Design e Expressão Gráfica (CCE-UFSC) com pesquisa em Design Gráfico e Interatividade. Especialização em Metodologias para a Educação à Distância (UNISUL VIRTUAL) com pesquisa em Ambientes Virtuais de Aprendizagem e Design Educacional. Graduação com Licenciatura em Educação Artística e Pedagogia (em andamento) com pesquisa nas áreas de produção de material didático para EaD e Educação Lúdica pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

André Ary Leonel, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciado em Física, com mestrado e doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e professor adjunto no Departamento de Metodologia de Ensino desta mesma instituição. Professor Pesquisador no Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e no Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC. Participa do grupo de pesquisa COMUNIC e do projeto Conexão Escola Mundo da UFSC. Tem experiência na área de Ensino de Física, com ênfase em Ensino de Física e na formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologias digitais da informação e comunicação, alfabetização científica e técnica e ensino de física moderna e contemporânea na Educação Básica. É coordenador do Núcleo de Formação do Laboratório de Novas Tecnologias (LANTEC) da UFSC.

José André Angotti , Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação em Física/Licenciatura (1972), mestrado (1981) e doutorado em Ensino de Ciências/Física - Instituto de Física-IFUSP e Faculdade de Educação - FEUSP da Universidade de São Paulo (1991). Professor titular de Metodologia e Prática de Ensino de Física e do Programa de PG em Educação Científica e Tecnológica, cursos de Mestrado e Doutorado - Universidade Federal de Santa Catarina, aposentado desde março de 2016 . Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Científica e Tecnológica, atuando principalmente nos seguintes temas: formação docente na graduação e pós-graduação: inicial e continuada, presencial e AD; educação dialógica; epistemologia, interdisciplinaridade, ensino de física/ciências com TDIC. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSC - 1992 a 1996; coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC - 2005 a 2007. Coordenador Geral de Conteúdos Curriculares da Diretoria de Educação Básica da CAPES em 2008. Diretor do Departamento de Ensino da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da UFSC - 05/2009 a 05/2012. Coordenador Institucional dos Projetos UFSC/CAPES - DEB e DED-UAB: Uso de TIC em cursos de Graduação - 2010 a 2012; Prodocência - 2010 a 2012 e PIBID- 2011 a 2014. Pós-Doutorado em Educação Científica e Tecnológica - Ensino de Física, formação Docente e TDIC junto ao grupo CRECIM da Universidad Autónoma de Barcelona - UAB, Barcelona - Espanha, outubro/2014 a março/2015.

Referências

ARRUDA, E. P. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. Em Rede-Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/621. Acesso em: 08 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Indicadores Educacionais.. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/indicadores-educacionais. Acesso em: 06 out. 2020.

HODGES, C. et al. The difference between emergency remote teaching and online learning. EDUCAUSE Review. 27 mar. 2020. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remote-teaching-and-online-learning. Acesso em: 11 maio 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD). Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101705_informativo.pdf. Acesso em: 06 out. 2020.

LAPA, A. B.; BELLONI, M. L. Educação a distância como mídia-educação. Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 175-194, jan./abr. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2012v30n1p175. Acesso em: 06 out. 2020.

LEONEL, A. A. Formação continuada de professores de Física em exercício na rede pública estadual de Santa Catarina: lançando um novo olhar sobre a prática. 2015. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/169502/340342.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 06 out. 2020.

LIMA, M. S. L.; PIMENTA, S. G. Estágio e docência: diferentes concepções. Poíesis Pedagógica, Catalão, v. 3, n. 3-4, p. 5-24, 2006. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/10542. Acesso em: 06 out. 2020.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SENHORAS, E. M. Coronavírus e Educação: análise dos impactos assimétricos. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 2, n. 5, Boa Vista, 2020. Disponível em: https://revista.ufrr.br/boca/article/view/Covid-19Educacao. Acesso em: 04 dez. 2020.

WEFFORT, M. F. Educando o olhar da observação: aprendizagem do olhar. In: WEFFORT, M. F. Observação, registro, reflexão. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1997. Disponível em: https://blogproinfanciabahia.files.wordpress.com/2013/03/educando-o-olhar-madalena-freire.pdf. Acesso em: 04 dez. 2020.

ZIMMERMANN, E. E.; BERTANI, J. A. Um novo olhar sobre os cursos deformação de professores. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 43-62, abr. 2003. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6563/6047. Acesso em: 04 dez. 2020.

Publicado

2021-07-16

Como Citar

Alarcon, D. F., Leonel, A. A., & Angotti, J. A. (2021). O estágio curricular supervisionado em tempos de pandemia: experiência em um curso de ciências biológicas. EmRede - Revista De Educação a Distância, 8(1). https://doi.org/10.53628/emrede.v8.1.710