ENTRE A TV DE PLASMA E O QUADRO DE GIZ IMPASSES DA PRÁTICA EM LICENCIATURAS A DISTÂNCIA

Autores

  • Raquel Villardi Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Professora do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Formação Humana
  • Márcia Spíndola - Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Formação Humana
  • Sílvia Helena Mousinho Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Mestranda do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Formação

Palavras-chave:

estágio supervisionado, licenciatura, educação a distância

Resumo

Este artigo analisa algumas das questões que perpassam a formação prática do professor da escola básica, com especial enfoque sobre o estágio supervisionado, compondo um quadro dos procedimentos que vêm caracterizando esse componente curricular em cursos de licenciatura, presenciais e a distância. Salienta a importância da prevalência de aspectos inovadores nas licenciaturas e estabelece as correlações existentes entre a formação universitária e o que o licenciando vivencia no estágio, como componente curricular sobre o qual recai a prática profissionalizante. Analisa a responsabilidade das escolas de formação de professores sobre a atual situação da educação básica e, por fim, ressalta a falta de políticas públicas capazes de viabilizar a inovação como elemento deflagrador de mudanças efetivas no sistema educacional brasileiro.

Publicado

2014-07-27

Como Citar

Villardi, R., Spíndola, M., & Mousinho, S. H. (2014). ENTRE A TV DE PLASMA E O QUADRO DE GIZ IMPASSES DA PRÁTICA EM LICENCIATURAS A DISTÂNCIA. EmRede - Revista De Educação a Distância, 1(1), 109-119. Recuperado de https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/9